Home>Biografia>Quem foi Will Eisner

Quem foi Will Eisner

Will Eisner é o exemplo perfeito de um artista que nunca cansa. Sua vida cheia de emoção e atividade obteve várias obras de grande alcance.
 
Muitos artistas e roteiristas americanos lutaram para elevar os quadrinhos ao status artístico. Por isso, desde que os quadrinhos e revistas foram estabelecidos, eles têm atuado na área editorial.
 
Foi em meados da década de 30, Eisner passou por todos os grandes e essenciais ciclos do desenvolvimento de mídia. Como diversos artistas daquela época, Eisner procurou oportunidades entre diversas editoras. No entanto, sem um emprego de longo prazo, ele abriu seu próprio estúdio em 1936, em colaboração com o frustrado designer Jerry Iger.
 

Estúdio Eisner & Iger

 
A princípio, o estúdio chamado Eisner & Iger adquiriu um modelo para produção usado por outras empresas no futuro. Assim, ele dividiu estritamente o trabalho no estúdio. Dessa maneira o artista responsável pelo desenho a lápis, a arte, moldura de gibi e letras. Eisner geralmente propõe ideias ou algumas páginas e, em seguida, passa esse conteúdo para a equipe continuar. Entre os bons artistas que passam se encontra Bob Kane e o Jackie Kirby, os co-criadores do Batman e Capitão América.
 
Posteriormente, ele criou “Spirit” fora da sociedade, que foi o maior sucesso de edição de sua carreira. Isso ocorreu em meados de 1940 e de 1952. Décadas depois, dedicou-se à produção de quadrinhos educacionais para o serviço do Exército.
 
Ao mesmo tempo, uma das obras renomadas de Eisner é Um Contrato com Deus, de 1978. Bastante realista, o romance reúne quatro contos sobre residentes judeus no conjunto habitacional de Nova York em meados do início do século 20.
 
Com frequência este é considerado o primeiro de vários livros que tratam da cultura judaica. Por sinal, este é um tópico com o qual ele está muito familiarizado como filho de dois imigrantes judeus. Desde então, os ensaios gráficos de Eisner se desenvolveram com a linguagem visual e o potencial literário do enredo.
 
Por fim, a vida cotidiana é a destacável fonte das inspiração para a narrativa gráfica do autor. Por isso ele está empenhado em escrever e ilustrar as histórias das pessoas simples em dramas diários. Brigas dos casais, traição familiar ou situações profissionais, cenário de rua e outras atividades aparentemente comuns. Está em nítido contraste com a busca constante pelo refinamento estético e até mesmo pelo trabalho final.
 

Gênios também cometem erros

 
Por outro lado, que é exigente é que Will só contrate para o seu estúdio artistas que julga maduros e formados em instituições do ensino da arte. Jerry Siegel e Joe Shuster são incontáveis jovens candidatos à empresa. Em 1938, os dois enviam trabalhos para revisão. Porém, tanto Spy quanto Superman foram rejeitados. Eisner devolveu a página e postou uma nota dizendo: “Você não está pronto.” Alguns meses após, “Superman” foi lançado na primeira edição de “Action Comics”, e cerca de 200.000 cópias foram vendidas. Em várias edições, o volume de impressão ultrapassou 500.000.
 

As Aventuras humanas

 
O mal-entendido na avaliação pode não ser por conta da falta de consciência do potencial, mas devido a um certo desinteresse por super-heróis. A criação mais famosa de Eisner, “Spirit” (1940), é repleta desse gênero, mas seu protagonista é um detetive de polícia. Supõe-se que ele não tenha poderes especiais ou uniformes chamativos após sua morte. Nessas circunstâncias, continue a combater secretamente o crime. A encomenda do emissor, a única concessão era a adição de disfarce, e o artista resolveu esse problema incluindo a máscara como à usada pelo Zorro nas suas histórias.
 

Um herói bastante atípico

 
“Adventurous Spirit” combina aventuras, mistérios, comédia e o romance, e é diferente de boa parte dos heróis daquela época. Isso acontece porque a carga dramática da história e a narrativa gráfica são abundantes. Muitas das características cinematográficas da composição da página não são acidentais. Isso porque o artista sofre influência do filme e diz-se que é fã de “Citizen Kane” (1941). É simples perceber as diversas semelhanças entre o uso de frames e a profundidade do campo. É por isso que ficou conhecido como o “Orson Wells of Comics”. 

 

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta