Publicado em Clássicos da Literatura, Cultura, Literatura, Principal

Sociedade Cruel – Porque Precisamos da obra Os Miseráveis

Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século – a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância – não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis.

Victor Hugo 1862

Há 155 anos atrás Victor Hugo escreveu a obra prima de sua carreira, levando a vidad e uma pessoa que cometeu um pequeno erro e como sofreu por toda vida por esse erro. Esse livro se chama Os Miseráveis.

A História de Jean Valjean relata como o sistema penitenciario corrompe os miseráveis e como o judiciário e a comunidade não permite aqueles que cometeram algum crime voltem à sociedade. Por onde Jean Valjean andava, era obrigado a mostrar um passaporte amarelo que informava que ele era um criminoso e havia sido solto. Por mais que Valjean se esforçasse e mostrasse isso, aquele passaporte o marginalizava. Continuar lendo “Sociedade Cruel – Porque Precisamos da obra Os Miseráveis”

Publicado em Clássicos da Literatura, Literatura

Bloomsday 2017

Hoje comçaram as comemorações do Bloomsday em Dublin. Para quem não conhece, o autor irlandês james Joyce tem em seu mais renomado romance, Ulisses, uma história que se passa em apena um dia. Apesar de 24 horas, o livro é extenso e se passa na cidade natal do autor: Dublin, nos dia 16 de Junho. O nome Bloomsday vem do sobrenome da personagem principal, Bloom.

Todos os anos centenas de pessoas vão as ruas de Dublin vestidos com roupas da época da história, onde lêem parte do romance do autor, tomam chá e almoçam juntos e passeiam pelos pontos de Dublin onde a história se passa.

O Beco das palavras está aqui em Dublin e na sexta, dia 16/06, iremos mostrar ao vivo como estão as ruas de Dublin durante o Bloomsday. Até lá, aproveite os vídeos que iremos publicar todos os dias essa semana.

 

Publicado em Clássicos da Literatura, Literatura, Literatura Estrangeira

O Morro dos Ventos Uivantes

Para fazer uma resenha, você deve gostar disso, imagina fazer uma resenha de um clássico atemporal como “O morro dos ventos uivantes”, terminei de ler o livro tem 1 semana, e somente hoje consegui expressar o resultado que essa leitura teve em mim. Acredito que por simplesmente adorar o clima do campo, logo de cara identifiquei-me com o plano de fundo da trama., um ambiente sombrio e misterioso, ou seja tudo o que gosto.

Logo após ler o livro, conversando com a Luciana (Colunista do Coolture e administradora do blog parceiro “Beco das Palavras), conheci um pouco da história da autora e do livro, e ai simplesmente “ferrou”, o que já era uma grande admiração por ser uma grande obra, se tornou paixão, e fui em busca de algumas informações sobre a autora. O que aconselho todos, que tem a intenção de ler ou que já leram o livro, a fazer. Vamos a um breve resumo da história.

O Sr. Lockwood, é o novo inquilino da ‘Granja dos Tordos’, e logo o clima sombrio e misterioso que cerca sua nova residencia, assim como a de seu vizinho (e proprietário da Granja). Logo descobre uma pessoa que pode lhe contar toda a história, Ellen Dean, a governanta da ‘Granja’. Assim, junto com o Sr. Lockwood, conhecemos a história de uma amor não correspondido, intenso, tempestuoso e vingativo. Continuar lendo “O Morro dos Ventos Uivantes”

Publicado em Clássicos da Literatura, Cultura, Escritores, Literatura

501 Grandes Escritores

501-grandesHá alguns anos atrás a editora Sextante lançou o livro 501 Grandes Escritores. Uma pequena lista dos melhores escritores de todos os tempos, aqueles que fizeram nome e grandes obras literárias. O livro é organizado por ano, e vai de Homero até os dias atuais. São autores de diversos países, concepções literárias desde romance até policial e filosofia.

A obra é ótima como referência para aqueles que gostam de literatura e querem conhecer um pouco mais dos seus autores preferidos, aqueles que querem descobrir novos autores ou até estudantes que precisam de uma melhor referência bibliográfica para seus trabalhos.

Cada autor tem sua biografia, data de nascimento, gênero literário que se enquadra, curiosidades e lista das principais obras literárias (quer elas estejam publicadas em português ou não). Continuar lendo “501 Grandes Escritores”

Publicado em Clássico do Mês, Clássicos da Literatura, Escritores, Literatura, Principal

A Abadia de Northanger

imagesJane Austen é bem conhecida no mundo literário, principalmente pelas moças que suspiram pelos seus atraentes mocinhos. Porém, não são todos que conhecem uma de suas mais interessantes obras: A Abadia de Northanger.

Enquanto seus outros livros discutiam características dos relacionamentos sociais, este vai além e literalmente brinca com o tipo de literatura em voga na época: o romance gótico.

Desde seu inicio o livro faz uma paródia desses romances obscuros, com mocinhas indefesas, vilões asquerosos e heróis determinados. Só que, como essa é uma história da Austen, percebemos aos poucos que o principal vilão é na verdade, a falta de bom senso. Continuar lendo “A Abadia de Northanger”

Publicado em Clássico do Mês, Clássicos da Literatura, Literatura, Literatura Estrangeira

Emma – Jane Austen

emma-livroEmma foi meu segundo livro do desafio literário de 2017. Eu li com um pouco de dificuldade e devo dizer que fiquei aliviada em terminar a leitura. Fãs da Jane Austen, não me odeiem! Continuem a leitura para conhecer minhas impressões sobre o livro.

A escolha de Emma para a minha lista de livros desse ano não foi aleatória. Eu tinha a intenção de incluir uma escritora clássica e Jane Austen apareceu como minha primeira opção nesse sentido. Primeiro, porque o único livro que eu havia lido dela até hoje era Orgulho e Preconceito. Eu queria ler outra obra. Segundo, porque minha irmã é praticamente fã de carteirinha da Jane Austen, ela tem todos os livros (Emma eu peguei emprestado da biblioteca dela), sempre elogia as histórias da autora e isso, de certa maneira me influenciou. Terceiro, porque todos os comentários que li sobre o livro apontavam uma protagonista diferente das demais heroínas da Jane Austen, as quais dependem de um “bom casamento” para garantir seu futuro. Segundo as críticas, Emma era a mais independente das personagens e isso chamou minha atenção. Continuar lendo “Emma – Jane Austen”