Publicado em Principal

As Brasas

Dois amigos de infância inseparáveis que, na vida adulta, se separam e ficam sem se falar por 40 anos. Esse é o enredo de As Brasas (Companhia das Letras), do autor húngaro Sandór Márai.

O livro se inicia com o reencontro dos amigos já velhos, após esses quarenta anos distantes para uma última conversa, onde eles irãos relembrar o que aconteceu em pratos limpos.

A escrita de Márai é poderosa. No momento que se começa a ler o livro, é impossível parar de ler. O decorrer de cada capitulo ocorre suavemente e suas palavras reverberam na mente. Continuar lendo “As Brasas”

Publicado em Clássicos da Literatura, Cultura, Literatura, Principal

Sociedade Cruel – Porque Precisamos da obra Os Miseráveis

Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século – a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância – não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis.

Victor Hugo 1862

Há 155 anos atrás Victor Hugo escreveu a obra prima de sua carreira, levando a vidad e uma pessoa que cometeu um pequeno erro e como sofreu por toda vida por esse erro. Esse livro se chama Os Miseráveis.

A História de Jean Valjean relata como o sistema penitenciario corrompe os miseráveis e como o judiciário e a comunidade não permite aqueles que cometeram algum crime voltem à sociedade. Por onde Jean Valjean andava, era obrigado a mostrar um passaporte amarelo que informava que ele era um criminoso e havia sido solto. Por mais que Valjean se esforçasse e mostrasse isso, aquele passaporte o marginalizava. Continuar lendo “Sociedade Cruel – Porque Precisamos da obra Os Miseráveis”