Publicado em Literatura, Literatura Estrangeira, Principal

Prisão de ventre – Um conto de Gadi Taub

A primeira vez que Mariana percebeu que alguma coisa não estava bem com Daniel foi num sábado pela manhã. Nesse dia ele acordou cedo e se sentou na beirada da cama, olhando para fora. As cortinas do quarto não estavam totalmente fechadas, e lá fora parecia que ia chover. Fazia frio. Daniel passou a mão no cabelo. Durante alguns minutos ele ficou sentado imóvel. As pontas de seus pés encostavam no chão gelado. Havia silêncio na casa.

Uma hora depois, quando Mariana acordou, ela encontrou sobre a mesinha da sala pilhas organizadas de livros. No sofá havia uma mala aberta e ao seu lado roupas dobradas. Não havia nada dentro da mala. A porta para o jardim estava aberta e um vento fraco entrou na casa. Ela se aproximou para olhar lá fora e viu Daniel de pé na grama com o cachorro. Ele abraçava o animal, apertando-o contra o peito. As patas dianteiras e a cabeça do animal alcançavam seu ombro. Estava vestido com calças de veludo cotelê e um suéter. “O que aconteceu?”, ela perguntou. “Aconteceu alguma coisa?” Continuar lendo “Prisão de ventre – Um conto de Gadi Taub”

Publicado em Literatura Estrangeira

Férias

Sabe por que eu adoro ler? Eu fujo da minha realidade, vivo um outro mundo e me transporto para outra realidade, para ser mais feliz como minha personagem, ou mais corajosa, mais séria; sofrer o que ela sofre, me imaginar na situação dela para ver como eu me sairia, se estaria tão bem como ela no meu “ The End”.

Sabe por que eu não gosto de ler? Porque as estórias acabam, e sempre nos deixam querendo mais, esperando “cenas do próximo capitulo”.

Tem uma autora em especial que me causa todos esses sentimentos variados ultimamente: Marian Keyes!

A escritora da minha vida, pelo menos parece que em alguns de seus livros andou me espiando pela janela, ou lendo meus pensamentos mais secretos (será que é só comigo? Duvido!!). Sou suspeita para falar, o primeiro livro que li foi Melancia, me apaixonei por Adam, me senti e me imaginei na pele de Claire e odiei James com todas minhas forças! Continuar lendo “Férias”

Publicado em Desafio Literário, Literatura, Literatura Estrangeira

Sangue Negro

É difícil explicar minha relação com a poesia. Sempre a apreciei, mas também sempre me senti um pouco insensível em relação a ela. Talvez, em alguns casos, eu não tenha entendido bem esse modo de expressão literária. Em outros casos, acredito que possa ter sido falta de identificação ou afinidade com o tema. Faz pouco tempo que tenho dado mais atenção à poesia e lido alguns escritores que têm me proporcionado uma experiência diferente com esse estilo, muito mais próxima e até agradável. Noémia de Sousa certamente é uma dessas pessoas.

Mas como não ser levada por essa força presente nos poemas da escritora? Ler Sangue Negro foi uma experiência que me causou ao mesmo tempo alegria e tristeza, ânimo e revolta, dor e coragem. São sentimentos que se tornam ainda mais interessantes se pensarmos no lugar de fala de Noémia de Sousa, no contexto em que ela estava inserida. Suas poesias não foram feitas especificamente para um livro. Apenas muitos anos depois elas seriam reunidas para esse fim. A escritora publicava seus poemas em jornais, entre 1948 e 1951. Esses escritos dialogavam com todo um movimento de reivindicação da Negritude e contra a colonização portuguesa. São poemas que circulavam de mão em mão e alcançavam do cidadão comum que lia seu jornal ao revolucionário que precisava de ânimo para seguir na luta. Vejam, por exemplo, essa poesia:

Poema

Bates-me e ameaças-me,

agora que levantei minha cabeça esclarecida

e gritei: “Basta!”

Armas-me grades e queres crucificar-me

agora que rasguei a venda cor de rosa

e gritei: “Basta!”

Condenas-me à escuridão eterna

agora que minha alma de África se iluminou

e descobriu o ludíbrio…

E gritei, mil vezes gritei: “Basta!”

Ó carrasco de olhos tortos,

de dentes afiados de antropófago

e brutas mãos de orango:

Vem com o teu cassetete e tuas ameaças,

fecha-me em tuas grades e crucifixa-me,

traz teus instrumentos de tortura e amputa-me os membros, um a um…

Esvazia-me os olhos e condena-me à escuridão eterna…

– que eu, mais do que nunca,

dos limos da alma,

me erguerei lúcida, bramindo contra tudo:

Basta! Basta! Basta!

(Noémia de Sousa – Livro: Sangue Negro (p. 122)

Noémia de Sousa, considerada a mãe dos poetas moçambicanos, era também uma incansável militante em defesa da liberdade de Moçambique e de sua grande Mãe África. Também não se esqueceu da resistência das mulheres negras em seus poemas. Inserida nesse contexto, a escritora viu vários de seus colegas e amigos sendo mortos, presos ou exilados. Ela mesma se exilou, primeiro na França, depois em Portugal, onde viria a falecer longe de sua terra natal. O livro Sangue Negro não é apenas a compilação de sua obra, é uma merecida homenagem a essa grandiosa mulher.

A primeira edição foi publicada em 2001 pela Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO). Noémia de Sousa relutou um pouco para que seus poemas se transformassem em um livro, apesar de toda a insistência de seus amigos e companheiros de Literatura para essa publicação. Por esse motivo demorou tanto tempo para que esses poemas estivessem disponíveis nesse formato. A segunda edição do livro é do ano 2011, lançada pela editora Marimbique. Infelizmente foram necessários mais alguns anos para essa obra chegar ao Brasil. Em 2016, a editora Kapulana publicou o livro em nosso país, o que permitiu aos leitores brasileiros terem acesso mais facilmente aos poemas de Noémia de Sousa. Aliás, com essa edição muitos leitores, como eu, tiveram a chance de conhecer a escritora, o que foi um presente, mas também mostra a nossa defasagem em ler e buscar mais escritoras negras, africanas, de países com certa proximidade com o nosso, como é Moçambique. Noémia de Sousa tinha um grande carinho pelo Brasil e possuía vários amigos brasileiros, com os quais mantinha uma troca de ideias e colaborações.

O livro publicado pela editora Kapulana é uma verdadeira preciosidade. Além dos poemas, o livro traz incríveis ilustrações feitas por Mariana Fujisawa e um prefácio superinteressante (especialmente se você ainda não conhece nada sobre Noémia de Sousa) escrito pela professora e pesquisadora Carmen Lucia Tindó Secco. Ainda mais, o livro traz textos que fizeram parte das edições anteriores (de 2001 e 2011) e várias mensagens em homenagem à autora, enviadas por outros escritores, pesquisadores e amigos de Noémia. Ou seja, mais que apreciar a maravilhosa obra da escritora, podemos conhecer também a importância e a abrangência de sua poesia.

Enfim, Sangue Negro foi mais uma incrível experiência de leitura que esse desafio me proporcionou. E conhecer Noémia de Sousa, me emocionar com sua poesia, me encorajar em sua força, foi um grande presente. Espero que vocês também se animem a conhecê-la. Depois voltem aqui para me contar o que acharam.

….

A edição que li, da editora Kapulana é essa AQUI.

Para ver a lista do meu desafio literário desse ano, com os livros já lidos e os que ainda faltam, clique AQUI.

 

Publicado em Desafio Literário, Literatura, Literatura Estrangeira

Hora Zero – Agatha Christie

Antes de tudo, quero avisar que será impossível falar sobre esse livro sem dar spoiler. Então resolvi dividir esse texto em duas partes. Na primeira, vou apresentar o livro e falar de uma maneira mais superficial, para quem tem interesse em saber sobre o que se trata, mas não quer saber o final. Na segunda parte vou falar sobre o que, para mim, é o ponto principal do livro, com um olhar um pouco mais atencioso para a obra, mas não posso fazer isso sem dar informações importantes sobre a história. Então, se você odeia spoilers com todas as suas forças, leia só a primeira parte (eu avisarei quando você deve parar de ler). Mas se você não se importa com isso, leia até o final.

A Hora Zero

– Gosto de um bom romance policial – disse ele. – Mas, como se sabe, eles sempre começam do ponto errado! Começam pelo assassinato. Só que o assassinato é o final. A história começa muito antes – com todas as causas e circunstâncias que levam as pessoas a certos lugares, num certo momento e num certo dia. […] – Todos se dirigem a um determinado local… E aí, quando chega a hora: o ponto máximo! A hora zero. Sim, todos convergem para a hora zero… Para a hora zero… – repetiu. (p.11-12)

Continuar lendo “Hora Zero – Agatha Christie”

Publicado em Clássicos da Literatura, Desafio Literário, Literatura, Literatura Estrangeira

Desafio Literário 2017: junho – Ágatha Christie

Chegamos à leitura do mês de junho do Desafio Literário: 12 livros escritos por mulheres para 2017. É metade do ano, metade das leituras e uma experiência incrível até agora!

Junho foi o mês que li Hora Zero, da Ágatha Christie. Como tenho feito todos os meses, antes de falar sobre o livro, quero contar o porquê de ter adicionado essa autora à minha lista. A Ágatha Christie foi uma das escritoras que me influenciou, no sentido de ter alimentado meu gosto pela leitura. Houve uma fase da minha vida, durante parte da infância e adolescência, em que li muitos livros escritos por ela, devorava um atrás do outro e acredito que ter me deparado com essas obras que despertavam em mim a vontade de continuar lendo, foi algo essencial na minha formação como leitora. Continuar lendo “Desafio Literário 2017: junho – Ágatha Christie”

Publicado em Literatura, Literatura Estrangeira, Principal

Uma história simples, de Sch. I. Agnon

61f4bdaac7914dda21fe9452d08cfd5b9d081915Gostaria de analisar sucintamente o romance Uma história simples, de Schmuel Iossef Agnon, observando, a partir dos personagens (habitantes da cidade fictícia de Shibush), as transformações que foram ocorrendo na sociedade judaica tradicional do leste europeu no início do século XX.

Agnon é um dos autores mais relevantes para a literatura hebraica moderna. Existem muitos estudos a respeito de sua obra, que é extensa. Seu modo de escrever é bastante contido, sem nunca estabelecer julgamentos, deixando essa tarefa para o leitor. Sua ironia e crítica aparecem de maneira bastante sutil e inteligente, por isso muitas vezes o leitor pensa que ele considera aceitável algo que é julgado pelo próprio leitor como moral ou eticamente incorreto. Agnon é um autor que em suas obras faz uso dos elementos da tradição de maneira a apresentar as mudanças pelas quais ela passa.

Continuar lendo “Uma história simples, de Sch. I. Agnon”