Home>Cultura>Por que Louvre é o museu mundialmente mais visitado?

Por que Louvre é o museu mundialmente mais visitado?

O maior museu de arte do mundo é também um monumento histórico parisiense. Conheça o encantador Museu do Louvre lendo o artigo a seguir.

 

Bem na margem do lado direito do rio Sena, águas que banham a capital da França, localiza-se o Museu do Louvre. A galeria abriga itens desde a pré-história até o século XXI, ao lado dos restos da fortaleza do Palácio de Louvre, erguido no reinado de Felipe II, do ano de 1180. 

A fundação do Louvre

Primeiro, vamos dividir sua história em dois momentos: séculos XII ao XX e século XXI.

Primeiro momento

O museu fica num local que era um palácio, no século XII. Ele fora construído para proteger o país de soldados germânicos e o nome Louvre teria relação com caverna de lobos (lupus, do latim) ou seria ainda “castelo” em latino-saxão. 

No século XIV, o rei Charles V converteu a fortaleza em residência, Francis I renovou-o para o estilo renascentista e adquiriu Mona Lisa, de Leonardo da Vinci. Sim, o famoso retrato foi provavelmente o primeiro item do Louvre! No século XVII, Luís XIV escolheu o Palácio de Versalhes para habitar deixando as obras no Louvre um pouco mais lentas, mas exclusivas para a arte.

Na mesma época, houve um interesse público quanto à criação de uma galeria e Luís XV cedeu, abrindo um salão para receber obras como as de Rafael Sanzio e Rembrandt. No período da Revolução Francesa, ele virou museu. Mais a frente, no século XIX, o Louvre finalmente ganhou as pirâmides centrais.

 

Segundo momento

Nessa fase, o Louvre já era um museu de sucesso, com mais de 15 mil visitantes por dia. Em 2006, ele lucrou ainda mais depois do livro e da adaptação cinematográfica de “Código da Vinci”, de Dan Brown. 

Em 2012, foi construído um pavilhão com um telhado dourado com a proposta de parecer que está flutuando. Alguns museus satélites foram erguidos, em Lens (França), em Abu Dhabi (Emirados Árabes) e em Teerão (Irã).

 

O que tem no Louvre?

Abrigando a segunda maior seção de pintura do mundo, perdendo apenas para o Hermitage russo, há muito o que se explorar no museu. 

 

Antiguidades egípcias

Louvre ilustra a cultura egípcia em todo o período helenístico, romano e bizantino. Carlos X criou essa coleção por decreto e ela foi desenvolvida, em 1826, com a colaboração de arqueólogos franceses em expedição ao Egito. 

 

Pinturas

As artes plásticas europeias estão muito bem expostas aqui, embora 66% das obras, aproximadamente, sejam francesas. Desde que o Louvre era uma fortaleza essa coleção foi sendo desenvolvida e hoje é possível contemplar trabalhos como a Pietà de Avignon, o ciclo de pinturas de Maria de Médici,etc.

 

Esculturas

Até 1871, as esculturas não eram destaque no museu. Mas hoje há uma variedade de itens, da Idade Média até o século XXI, incluindo a famosa “Três Graças” e “Vênus de Milo”.

 

Artes decorativas

Criado como subseção das esculturas, nessa coleção você encontra a coroa de Luís XV, o cetro de Carlos V, coleções de vasos da Madame de Pompadour e outros itens super interessantes.

 

Como visitar o Louvre

Com 17 euros, é possível comprar o ingresso, mas a fila para entrada pode ultrapassar duas horas de espera. Por isso existe a opção de compra antecipada, a 20 euros. O museu funciona das 9 às 18h e às 21h45 nas quartas e sextas-feiras. Seu endereço é na 1ère arrondissement, no centro de Paris.

 

Agora que você conheceu as obras mais renomadas, conheça as mais excêntricas que estão lá também! Confira 9 obras bizarras do Louvre

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta