Publicado em Literatura, Literatura Brasileira

Garranchos – Textos inéditos de Graciliano Ramos

8501087653_XVFoi PROVOCATIVA a minha escolha, foi PROVOCATIVA… pautada em duas questões, uma vez que, valorizamos em demasia o que não é nosso e, em tempo de constatação, cada vez mais sabemos pouco sobre nós, nossos escritores, nossas identidades. A outra motivação foi mergulhar na minha região. Sim, somos regiões divididas, precisamos buscar o conhecimento da parte e depois nos reconhecer como um todo, uma rica diversidade. No entanto, confesso ter em minhas mãos uma responsabilidade muito grande, escrever algo sobre um livro de Graciliano Ramos, Garranchos – Textos inéditos de Graciliano Ramos (ed Record). Pergunto-me: quem sou eu para poder alinhar vírgulas e pensamentos sobre uma pessoa de vida grandiosa? Visto-me da couraça da modéstia, logo, uma característica evidente na postura do sertanejo alagoano.

O livro vem com uma introdução pelas mãos do próprio organizador Thiago Mio Salla, estudioso da obra do autor. Aqui é necessário um pouco de paciência, pois vem com uma escrita mais acadêmica, mas a intenção é deixar o leitor ambientado dentro da obra que é dividida em fases passadas pelo autor, podemos até perceber no decorrer da leitura o amadurecimento da escrita, conhecendo os desdobramentos e as interfaces de um Graciliano em Palmeira dos Índios, no Rio de Janeiro, os momentos no Cárcere, o Político, o Presidente da ABDE (Associação Brasileira dos Escritores), o contista para crianças.

Para quem nunca mergulhou em um livro do Graciliano ou em uma obra regionalista não precisa temer, o leitor é redirecionado a todo o momento às notas explicativas, onde, é demonstrada a efervescência dos acontecimentos de ordem de vida pessoal, profissional e ideológica que o motivam a escrever, os ambientes, também, são descritos, na parte final do livro encontramos os detalhes da vida e obra, cronologia.

Cito alguns Garranchos que me marcaram, V, VI, IX, X, XI, XIII e XIV. Dentre os assuntos abordados, é interessante como algumas questões tratadas por Graciliano encontram-se totalmente atuais, de 1ª ordem, assuntos que são os dilemas do nosso cotidiano e é por isso que o conjunto da obra torna- se rico, dentre elas, Luz Elétrica, o Álcool, gastos nas prefeituras municipais, “O Testa de Ferro”, Liberdade de Pensamento, o elogio às mulheres e a questão do voto feminino, os elogios paralelos aos literatas nordestinos como Jorge Amado, a crítica que Graciliano faz ao brasileiro, no qual, afirma,  conhecermos pouco o nosso mundo, “nos esforçamos para saber o que se passa na Europa”; eu mesma deixo uma indagação, alinhando o coro, continuamos do mesmo jeito?

Graciliano Ramos (retratado por Portinari)
Graciliano Ramos (retratado por Portinari)

Um dos maiores clamores é relacionado à educação, caminhamos, mas as reclamações continuam. Por isso nosso subdesenvolvimento, a educação ao que me parece nunca figurou na grande agenda, contudo, vejamos uma particularidade, quando o Graciliano exerceu o cargo de Diretor de Instrução Pública, hoje, equivalente ao Secretário de Educação, observamos as estatísticas no aumento de matrículas no período de 1932 a 1934.

Ler Garranchos, é conhecer o surgimento das personalidades brasileiras, o delineamento do meio cultural, é ficar a par dos encontros, correspondências entre os escritores e artistas em nome de algo, as inquietações, é conhecer os estrangeiros que estiveram no Brasil e curiosos, ainda, pelo interior do Nordeste como o austríaco e sociólogo, Ludwig Schennhagen. Ler Garranchos,  é como sentir um sertanejo ao seu lado contando todas aquelas histórias.  Ler Garranchos, é andar pela história do Brasil, é perceber a interação dos que torciam pela solidez do nosso conhecimento entre as regiões. Ler Garranchos, é conhecermos um pouco do movimento Comunista em oposição ao medo da penetração e dimensão do Fascismo, o Graciliano como parte desse movimento. Ler Garranchos, é conhecer a dimensão do conhecimento e o envolvimento além-fronteiras como os discursos proferidos a favor dos escritores na América Latina, presos e torturados por governos populistas.

Portanto, Garranchos, é um conteúdo relevante que vai além do autor, tempo e região.

Lembrando Orhan Pamuk, escritor Turco e Nobel de literatura em 2006, o que é o romance? “É a filosofia do seu tempo”

Leitores brasileiros, convoco a todos para que, inquietem-se, precisamos alimentar nossa autoestima, temos o suficiente em, beleza, riqueza natural e cultural, possuímos os melhores atributos para andarmos de cabeça erguida, é importante lembrar que, todos nós  somos responsáveis e atores do processo.

Garranchos – Textos inéditos de Graciliano Ramos – 378 páginas

Organizador: Thiago Mio Salla

Editora – Record

Autor:

Mãe do Aquiles! Desde a infância, aventurava-se dando gargalhadas lendo gibis. Sem saber, ao longo do tempo, tornou-se livreira com amor e paixão. Agora vive um dia de cada vez e aprende sobre as letras com esse ritmo. Acha que somos matéria inacabada, sempre em construção. Anda em Política e Sociologia e patina, por vezes escorregando, nas artes.

Um comentário em “Garranchos – Textos inéditos de Graciliano Ramos

  1. Itˇ¦s really a nice and useful piece of info. Iˇ¦m glad that you shared this helpful info with us. Please stay us informed like this. Thanks for sharing.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s