Os Deixados para Trás

Facilmente  nos habituamos  a lidar com o sofrimento, com a perda e a dor que marcam a existência humana como se não fossem uma parte integrante e predominante do mundo.Isso talvez aconteça porque a maioria de nós não é obrigada ou não se obriga a lidar com  a maior parte do impacto e da devastação causados por eles.Esse comportamento defensivo demonstra, em parte, nossa natureza pouco compassiva em relação ao sofrimento alheio, e em parte demonstra nossa relutância em analisarmos e lidarmos com nosso próprio sofrimento de modo mais profundo.

No entanto, não poderíamos negar ou fugir da realidade se um evento trágico e global afetasse diretamente e indiretamente a vida de cada ser humano vivo no planeta. Nesse cenário onde o sofrimento atinge a todos ao mesmo tempo e em diversos níveis, a simples negação ou  indiferença ao sofrimento não seria mais possível porque, aonde quer que se fosse e para quem quer que se olhasse, o sofrimento estaria evidente. Esse é  o cenário e o ponto de partida em “Os deixados para trás” de Tom Perrota (Editora Intrínseca, 317 páginas). Na história criada por ele, um acontecimento estranho e inexplicável fez com que milhares de pessoas simplesmente desaparecessem do mundo. Em um breve momento  todas elas já não mais existiam deixando para trás um rastro de imcompreensão e dor.

É impossível não sermos remetidos ao Arrebatamento mencionado na Bíblia, um evento que consiste na retirada repentina desse mundo dos cristãos salvos em Cristo. Mas apesar de ter alguma sememelhança com o evento da Bíblia, a história não tem caráter religioso e nem pretende tratar de teologia. O acontecimento em si é mais mencionado do que explicado na história e serve apenas como referência para o autor desenrolar os dramas dos personagens. A única certeza para eles era que algo desconcertante e inesperado havia mudado o mundo e as pessoas.

A trama se desenrola na cidade de Mapleton e foca principalmente no drama pessoal do prefeito Kevin Garvey, de sua esposa Laurie, de seus filhos Tom e Jill e também de Nora Durst. Kevin perdeu a família não no evento em si, mas no caos e na desolação posterior ao mesmo. Já Nora perdeu toda a família no fatídico 14 de Outubro, data na qual ocorreu o evento que ficou conhecido como “Partida Repentina”, quando o marido e os dois filhos pequenos simplesmente desapareceram durante o jantar. Assim como eles, em todo o mundo pessoas haviam perdido alguém ou alguma coisa dentro de si mesmas de modo repentino e inexplicável. Todos perderam alguém da família, um vizinho ou um amigo. Mas todos perderam também a fé, a esperança e o sentido que tinham para a vida até então.

Contudo, longe de escrever uma história melodramática e deprimente, Tom Perrota  encontrou o tom certo ao tratar de temas emocionalmente pesados com a leveza e a profundidade certas que foram dadas por ele à trama e aos personagens. Além de momentos que nos fazem sentir a tristeza dos personagens, a narrativa é uma mescla de momentos de suspense, ação e supresas diante das reviravoltas que ocorrem na trama. É interessante notar que ao utilizar um acontecimento extraordinário, o autor conseguiu  criar uma metáfora eficiente para tratar de assuntos e de dificuldades tão comuns e ordinárias a todos nós. Independentemente de sofrermos uma grande calamidade na vida, todos os seres humanos estão sujeitos às mesmas provações ainda que em níveis diferentes. Todos experimentamos ansiedades, solidão, dor e perdas e precisamos aprender a encontrar o rumo quando algo inesperado e difícil nos atinge.

Deixar fases, pessoas e coisas para trás faz parte da dinâmica da vida. A todo momento estamos deixando e sendo deixados para trás seja por meio da morte, da separação ou ainda da indiferença. Em meio a essa dinâmica precisamos aprender a lidar com as lacunas e as mudanças deixadas para nós como herança. E muitas vezes não fazemos isso por vivemos imersos numa cultura que enfatiza a obrigação de se ser feliz o tempo todo, de não se demonstrar fraquezas e vulnerabilidades. Diante disso a atitude mais sensata talvez seja conseguir achar o equilíbrio entre não se proteger demasiadamente do sofrimento alheio e pessoal, nem se entregar a ele de modo destrutivo. Sofrer pode ser um ato de reconstrução e redescoberta após a destruição. Para começarmos a achar esse equilíbrio talvez seja necessário nos estregarmos à reflexão, o que este livro consegue fazer com bastante competência.

Anúncios

Um comentário sobre “Os Deixados para Trás

  1. Não vou negar que fiquei curiosa quando vi o título. Já lia série deixados e gostei muito.

    Cheguei a ler o primeiro capitulo desse livro e vi que a vertente era outra e me interessei em ler. Depois dessa resenha já entrou na lista dos que preciso ler.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.