Anne with na E: dos livros à série

Os romances da escritora canadense Lucy Maud Montgomery já deram origem a inúmeras adaptações cinematográficas, televisivas e até teatrais devido ao sucesso estrondoso de suas obras. O novo projeto queridinho da Netflix, intitulado Anne with na E, procura abordar a história original com uma linhagem mais contemporânea, mais profunda no passado do protagonista e oferecendo uma atmosfera menos leve e particularmente dramática dos eventos. História A protagonista - a famosa menina órfã ruiva –

O Mínimo para Viver

Difícil não pessoalizar alguns temas. Nossas experiências nos guiam em nossas (próximas) ações, um processo retroalimentar, inclusive. Como se cada passo para frente fosse baseado nos dois últimos. E não poderia ser? O filme da Netflix  O Mínimo para Viver (To the Bone, no original) foi uma dessas escolhas baseadas em experiências que poderiam disparar alguns gatilhos. Mas, assim como para que um tratamento seja iniciado é interessante que o

Retrospectiva em Seriado – Ano 02

Atrasado, porém honrando compromissos. Em 2016 fiz minha primeira retrospectiva aqui para o Beco e decidi continuar com esta brincadeira, apresentando mais algumas coisas que vi ao longo de 2017. Não tenho nenhum critério lógico para iniciar uma maratona e não pretendo influenciar outros indecisos neste quesito. (mais…)

Os 13 Porquês (13 Reasons Why)

Resolvi assistir a série Os 13 Porquês da Netflix no dia de seu lançamento, 31 de março de 2017. Ela é baseada em livro homônimo de Jay Asher, e mostra o “bilhete” de suicídio de Hannah Baker, uma adolescente americana vítima de bullying. Hannah resolve gravar fitas cassetes contando as 13 razões que a levaram a decisão de se matar. Cada razão refere-se à alguém que de alguma forma fez

Série The Fall e o debate feminista

Tem gente que acha que assistir séries é alienação. Assim como seria alienação acompanhar futebol e novelas, no ponto de vista dessas pessoas. Sempre considerei esse ponto de vista arrogante. As séries e novelas, por exemplo, têm mais a dizer sobre nossa sociedade do que a gente imagina, são entretenimento, sim, mas também são formas de representação dos nossos costumes, valores e crenças. Também representam nossos preconceitos e tudo mais