Home>Cultura>Cinema>O cinema mudo de Louis Feuillade

O cinema mudo de Louis Feuillade

Louis Feuillade (19 de fevereiro de 1873 em Lunel – 25 de fevereiro de 1925 em Nice) foi um roteirista e diretor de cinema francês da era do cinema mudo.

 Feuillade teve uma influência indireta na história do cinema português, tendo desempenhado um papel preponderante na formação artística e técnica do realizador italiano Rino Lupo. René Clair, um dos cineastas mais famosos da França, também foi orientado por ele.

 Por falta de técnicos portugueses, Lupo foi contratado pela Invicta Film na cidade do Porto para ajudar a montar a empresa.

 Foi supervisionado pelo francês Georges Pallu e lançado para o mesmo fim pela produtora francesa Pathé Frères, que também é fabricante de equipamentos para filmes. Nos anos vinte, Giorgio Palou e Reno Lupo produziram vários filmes fundamentais na história do cinema português.

 

Biografia

 

Louis Feuillade nasceu em Lunel, Hérault, sul da França. Através de sua carreira familiar, tornou-se comerciante de vinhos e depois jornalista.

Em 1905, iniciou sua carreira cinematográfica na Gaumont Film Company, inicialmente como roteirista. Gaumont, como a EMI, é um pioneiro do cinema de massa francês.

 O papel de Feuillade foi fundamental no desenvolvimento da Gaummont a partir de 1907, quando se tornou o gerente geral da empresa. Portanto, contribuirá para a futura prática do cinema leve, que influenciará certas tendências do cinema americano, e terá um papel importante no surgimento dos chamados filmes da série B.

Lutador na Primeira Guerra Mundial, “um homem de cultura, mas não um intelectual”, Fyllard opôs-se diretamente à prática do cinema literário, ao estilo teatral posterior praticado por elementos da Adaptação, influenciados pela comédia francesa, e ao desenvolvimento do conceito de cinema de arte, a arte do cinema, a nova arte do cinema.

 Desprezado pela estética literária da década de 1920, foi restaurado pelos surrealistas em 1929. 

Contrariando a rigidez estática e prolixa do cinema de arte por estudiosos nativos, desenvolveu o conceito de estética cinematográfica, anunciando a criação de uma série de filmes “verdadeiramente nova”, movida pela beleza das ideias e formas: “A estética do cinema deve estar no mais alto nível da arte cinematográfica. mostre isso.”

Como resultado, o filme será menos dramático e mais gráfico. Nessa frase (que Rino Lupo segue), seu argumento mais forte para convencer Gaumont da confiabilidade de seu projeto é antiamericano: “No grande cenário histórico teremos mais oportunidades de competir com os americanos em seu próprio país”.

A declaração ousada foi feita em 28 de janeiro de 1910. O progresso geral dessa estratégia foi anunciado em um noticiário de 28 de maio da Gaumont.

Ele também defendeu a necessidade de filmes mais autênticos que mostrem a vida, mesmo que os temas explorados sejam irreais ou sonhadores.

 Foi na sua primeira série “La Vie Telle qu’elle est” que explorou esta ideia, uma série de 12 episódios, que definiu como “os primeiros ensaios realistas no ecrã” (1911).

 Foi esta ideia que lhe permitiu criar “esta animação dinâmica e viciante que explorou desde os primeiros melodramas, filmes históricos, Vida Tal e Qual Ela É ou as aventuras do Detective Dervieux”.

 Assim, ajuda a fundir as escolhas de realidade praticadas a partir da descoberta da máquina cinematográfica pelos irmãos Lumière com o tratamento ficcional e fantasioso iniciado pelo mágico francês e inventor do filme ficcional, Georges Méliès. 

Então ele criou um estilo pessoal e deu início a um novo gênero: o romance cinematográfico.

Mestre de leões e vampiros, explorando a comédia e o horror, uma de suas contribuições mais importantes para a história do cinema foi a invenção de uma série de filmes cuja ação rocamp cativou o público.

 Os heróis desses romances, como Mulher Vampira, Irma Vip, Van Thomas e Rocambol ficarão na memória coletiva, como ilustra o termo “Rocambolesco”.

Para Feuillade, “(…) a realidade cotidiana é apenas uma máscara, atrás da qual se esconde outra realidade, mais forte, mais real, mais bela: que é maravilhosa, sonhadora, sonhadora. Em suma, a realidade cinematográfica”.

Dirigiu centenas de filmes e afirmou ser o autor de cerca de mil roteiros para histórias que mais tarde foram utilizadas por outros diretores. Como realizador, é mais conhecido pelos thrillers, nomeadamente Fantasia (1913), O Vampiro (1915) e Judix (1917-1918).

 Devido às semelhanças estilísticas entre as três séries de crimes, Fantômas (1913), Les Vampires e Judex são frequentemente vistas como uma trilogia. [1] Feuillade explora várias técnicas de suspense desenvolvidas posteriormente por celebridades como Fritz Lang e Alfred Hitchcock,

Embora os filmes em que trabalhou fossem mais propensos a explorar temas de fantasia e aventura e fossem fortemente melodramáticos, o enquadramento real e mais próximo da vida que serviu de pano de fundo para os filmes não dramáticos que ele defendeu foi uma importante contribuição para a exploração futura. Realismo em «A Sétima Arte», que também aconteceu em Portugal.

 

Filmografia selectiva

  • 1906 : C’est Papa qui prend la Purge (107 m)
  • 1907 : Le Thé chez la Concierge (140 m)
  • 1909 : Histoire de Puce (102 m)
  • 1910 / 1913 : Bébé Apache (90 curtas metragens)
  • 1911 / 1912 : La Vie telle qu’elle est (12 episódios)
  • 1913 : Fantômas – À l’ombre de la guillotine (3 partes e 30 quadros)
  • 1913 : Les Chasseurs de lions (580 m)
  • 1915 : Les Vampires (10 episódios)
  • 1916 : Judex (12 episódios)
  • 1917 : La nouvelle mission de Judex (12 episódios)
  • 1918 : Tih Minh (12 episódios)
  • 1919 : Barrabas (12 episódios)
  • 1921 : Parisette (12 episódios)
  • 1923 : Vindicta (5 episódios)

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta