Home>Resenhas>A Estrada da Noite – Joe Hill

A Estrada da Noite – Joe Hill

 

Dizem: não se deve julgar um livro pela capa, contudo, vale lembrar que, – julgamentos à parte – uma bela capa pode fazer a diferença entre tantos outras grandes estórias esperando para serem lidas. A Estrada da Noite é um desses livros que chamam atenção pela capa e, por mais desavisado que seja o leitor, é possível reconhecer o gênero de longe.

Joe Hill começou na carreira literária de forma discreta, sem causar muito alarde. Seu primeiro trabalho chama-se “Fantasmas do Século XXI”, um compêndio de contos lançado em 2005. Já neste livro, foi possível perceber o talento do jovem autor. Dois anos depois, chega o interessante A Estrada da Noite e a carreira do autor começa a chamar atenção.

Mas Joe Hill tem um segredo e uma sombra do tamanho de Cthulhu às suas costas. Na verdade, Joe Hill é o pseudônimo utilizado por Joseph Hillstrom King, isso mesmo, Joe Hill na verdade é filho de Stephen King e, segundo o próprio autor, decidiu adotar um nome completamente diferente para conseguir êxito na carreira por ser um bom escritor e não por ser uma das obras mais importantes do grande mestre.

Claro que hoje, isso não é tão novidade assim, mas, não tem como falar dos primeiros trabalhos de Joe Hill sem explorar tal informação tão importante. E, mesmo sendo filho de quem é, podemos dizer que Joe Hill conseguiu chamar atenção e descolar um lugar especial no mundo dos grandes autores. Bom, mas vamos falar sobre A Estrada da Noite. 

A história é sobre um cantor de Rock veterano que tem uma mania de colecionar objetos nada comuns. E é por essa mania que, ao se deparar com um artigo inesperado, decidi compra-lo a qualquer custo. De início, não acreditava que realmente aquilo poderia ser possível, mas ele quis pagar para ver e, se você quiser saber o que acontece. Pode ir atrás do trabalho que você não vai se arrepender.

Desculpe falar tão superficialmente do livro, a intenção não é dar spoilers ou ficar falando de algum detalhe. É um livro que vale a pena ler, não pelo fato de ser filho do King, mas por ser um ótimo autor. Ser escritor já é uma pressão, imagine quando seu pai é um dos maiores e mais cultuados e respeitados autores do mundo.

Enfim, aproveitando, não espere um King 2. Joe Hill é bem diferente de seu pai no estilo de escrita e também, na quantidade de palavras utilizadas. A grande maioria dos livros de King são enormes, os filmes baseados em suas obras, costumam exceder no tempo que julgam ideal para as salas de cinema, mas, por se tratar de Stephen King.

Alias, um dos livros de Joe Hill também já foram transformados em filme, Horns (O Pacto) foi um grande sucesso, tanto o livro quanto o filme protagonizado pelo nosso eterno Harry Potter, Daniel Raddcliffe. 

Vale a pena ler A Estrada da Noite? Sim, vale. É uma estória bem interessante e cheia de suspense que vai prender o leitor até a última página. Joe Hill escreve super bem e sabe como ninguém desenvolver suas personagens e tramas.

 

Sinopse Amazon:

Uma lenda do rock pesado, o cinqüentão Judas Coyne coleciona objetos macabros: um livro de receitas para canibais, uma confissão de uma bruxa de de 300 anos atrás, um laço usado num enforcamento, uma fita com cenas reais de assassinato. Por isso, quando fica sabendo de um estranho leilão na internet, ele não pensa duas vezes antes de fazer uma oferta.

“Vou ‘vender’ o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto…”

Por 1.000 dólares, o roqueiro se torna o feliz proprietário do paletó de um morto, supostamente assombrado pelo espírito do antigo dono. Sempre às voltas com seus próprios fantasmas – o pai violento, as mulheres que usou e descartou, os colegas de banda que traiu –, Jude não tem medo de encarar mais um.

Mas tudo muda quando o paletó finalmente é entregue na sua casa, numa caixa preta em forma de coração. Desta vez, não se trata de uma curiosidade inofensiva nem de um fantasma imaginário. Sua presença é real e ameaçadora.

O espírito parece estar em todos os lugares, à espreita, balançando na mão cadavérica uma lâmina reluzente – verdadeira sentença de morte. O roqueiro logo descobre que o fantasma não entrou na sua vida por acaso e só sairá dela depois de se vingar. O morto é Craddock McDermott, o padrasto de uma fã que cometeu suicídio depois de ser abandonada por Jude.

Numa corrida desesperada para salvar sua vida, Jude faz as malas e cai na estrada com sua jovem namorada gótica. Durante a perseguição implacável do fantasma, o astro do rock é obrigado a enfrentar seu passado em busca de uma saída para o futuro. As verdadeiras motivações de vivos e mortos vão se revelando pouco a pouco em A estrada da noite – e nada é exatamente o que parece.

Ancorando o sobrenatural na realidade psicológica de personagens complexos e verossímeis, Joe Hill consegue um feito raro: em seu romance de estréia, já é considerado um novo mestre do suspense e do terror.

 

Assinatura

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta