Home>Resenhas>Rio2C Encerra edição de 2022 com Números Surpreendentes

Rio2C Encerra edição de 2022 com Números Surpreendentes

Diante de todas as dificuldades impostas pela pandemia ao setor de eventos, o maior encontro de criatividade da América Latina retornou mais forte e superou as expectativas dos próprios organizadores

 

Apesar das dificuldades enfrentadas pela indústria do entretenimento durante a pandemia, o Rio2C fechou a sua edição de 2022 neste domingo, dia 01 de maio, com números superlativos, após seis dias de enorme oferta de conteúdo. As mais de 37 mil pessoas que passaram pela Cidade das Artes tiveram acesso a 450 painéis, com a participação de mais de mil palestrantes nos dez palcos com temáticas transversais, além de uma série de experiências imersivas envolvendo realidade virtual, games e música, entre outras.

Sempre conectado com as tendências dos mais variados segmentos desde a sua concepção, nesta edição o maior encontro de criatividade da América Latina teve como pilares o consumo inteligente de conteúdo e o encontro presencial, cultivando a sua essência de ser um lugar de troca de experiências e de fomento de ideias in loco.

“Nosso grande diferencial residiu no presencial, na potência dos encontros. A experiência de pausar a rotina diária para mergulhar num universo de conteúdos e discussões inspiradoras, lado a lado com algumas das mentes mais interessantes da indústria, é inigualável e irreplicável digitalmente. Num momento de grande aceleração digital, a decisão de fazer esta edição 100% presencial foi bem ousada, mas estou convencido de que foi muito acertada. A felicidade estampada no rosto de quem esteve por aqui me dá essa certeza”, comemora Rafael Lazarini, criador e CEO do evento.

 

DESTAQUES DA CONFERÊNCIA

Os temas mais quentes da atual edição incluíram discussões sobre propriedade intelectual, o futuro e a tributação de plataformas de streaming, diversidade na publicidade e no entretenimento, a volta dos grandes eventos, metaverso, NFTs, entre outros.

Os dez palcos do evento dividiram-se entre as áreas de tecnologia, ciência, audiovisual, música, games, novas mídias, publicidade, marcas, sustentabilidade e futuro do trabalho, em painéis encabeçados por nomes como Mano BrownCrioloAlokCélia XakriabáRoberto MedinaBoninhoLázaro RamosIngrid GuimarãesAilton KrenakLinn da QuebradaGalvão Bueno e Scott Steindorff, entre outros.

Algumas lideranças indígenas estiveram presentes no Rio2C. Célia Xakriabá e Mapu Huni Kuin dividiram o palco com o DJ Alok no painel “Antes do Brasil da Coroa, Existe o Brasil do Cocar”, onde abordaram a necessidade de ressignificar a história do Brasil e buscar a nossa ancestralidade. Ailton Krenak, por sua vez, expôs a necessidade de refletirmos sobre nossa relação com outros seres e nosso impacto nos espaços que ocupamos e ainda a importância de nos reconectarmos à natureza. Sônia Guajajara e Daniel Munduruku, por sua vez, falaram sobre a construção de um futuro pautado em sociedades solidárias e sustentáveis.

Vice-diretora Geral da OMPI (Organização Mundial da Propriedade Intelectual), a mais importante entidade de propriedade intelectual do mundo, Sylvie Forbin apresentou dados inéditos sobre o impacto do COVID-19 sobre as indústrias criativas, seguida de uma discussão sobre mudanças e tendências que moldarão as diferentes áreas da indústria, tanto para artistas, criadores e empresas, como para o público em geral. A potência do entretenimento ao vivo, a criatividade como ferramenta para superar desafios e a resiliência na construção de cases de sucesso foram tópicos abordados pelo publicitário, empresário e criador do Rock in Rio, Roberto Medina, com moderação de Rafael Lazarini.

Os irreverentes integrantes da Porta dos Fundos celebraram o sucesso de 10 anos e 120 milhões de visualizações por mês no Youtube e os 17,2 milhões de inscritos no canal, bem como o Emmy Internacional de Comédia conquistado em 2019. O grupo ocupou o palco principal com Antonio TabetChristian Rôças, mais conhecido como Crocas, Gregório Duvivier e Ian SBF, em que relembraram os pontos altos da trajetória, piadas e polêmicas, além das novidades sobre a expansão internacional, novos formatos e talentos.

Poucas horas antes do episódio final da edição deste ano do Big Brother Brasil, Boninho, diretor de variedades da Globo e responsável pelos realities da emissora, falou sobre o desafio de colocar no ar, todos os anos, o reality que mais rende faturamento comercial no Brasil. Com direito a spoiler, ele contou que a produção do ‘BBB’ 23 começou há dois meses e meio e adiantou que o prêmio do próximo ano poderá ser diferente. Outra presença do programa que movimentou o evento foi Linn da Quebrada, participante da última edição, que lotou o House of Brands, em um painel sobre inclusão, respeito e diversidade.

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta