Home>Biografia>Luchino Visconti

Luchino Visconti

Luchino Visconti foi um dos maiores e mais importantes diretores do cinema italiano. Diretor de filmes aclamados como Rocco e seus irmãos e O leopardo.

 

Esse grandioso cineasta que dirigiu grandes obras no mundo artístico nasceu em Milão no dia 2 de novembro de 1906 e faleceu na cidade de Roma em 17 de Março de 1976.

Luchino era descendente de uma família nobre milanesa, os Visconti, além desse fato, Luchino Visconti di Modrone (seu nome completo), também era conde de Lonate Pozzolo, ou seja, estamos diante de um diretor que teve uma importância não somente no mundo das artes, mas também, na aristocracia do país.

 

 

Sobre a vida de Luchino Visconti

Luchino era filho de Giuseppe Visconti, duque de Grazzano e de Carla Erba, herdeira de uma empresa farmacêutica. Além de Luchino, o casal contava com mais seis filhos. Luchino no ano de 1926, prestou serviço militar como sub-oficial da cavalaria, algo que, provavelmente foi um reflexo dos anos que passou em sua propriedade, ele passou grande parte de sua juventude cuidando dos cavalos.

Mas a vida deste, aparentemente, rapaz do campo, não se limitou apenas a tais afazeres, Luchino tinha uma paixão a qual, dividiu seu tempo entre os afazeres e prazeres. Ele adorava frequentar o mundo lírico e do melodrama e por isso, talvez por essas despretensiosas idas e vindas, Luchino acabou sendo influenciado pelo mundo das artes. Porém, isso foi algo que não despertou em sua terra natal.

No ano de 1936, ao visitar a França, Luchino acabou criando laços de amizade com a Coco Chanel, foi através da amiga que Luchino acabou conhecendo uma figura muito importante para sua arte, o cineasta, Jean Renoir, com quem trabalhou no filme Une Partir de Campagne. Esse primeiro trabalho foi o marco na vida de Luchino, mesmo assim, o diretor em 1937 foi até Hollywood e depois regressou para seu país onde continuou trabalhando com Renoir na direção da ópera Tosca.

E foi esse o pontapé inicial na carreira do diretor em questão. Para você ter ideia dos caminhos trilhados por Luchino, no ano de 1940, passou a conviver com os intelectuais responsáveis pelo Jornal Cinema e, para realizar seu primeiro registro cinematográfico, chegou a vender as joias de sua família para conseguir o dinheiro para investir.

 

Filmes

O filme em questão é Ossessione de 1943, com Clara Calamai e Massimo Girotti. Após este trabalho, Luchino realizou seu segundo, praticamente no fim da Segunda Guerra Mundial, foi um documentário chamado Giomi di gloria. Logo após, foi contratado pelo Partido Comunista Italiano para produzir três filmes sobre alguns profissionais, mas realizou apenas um: A Terra Treme.

No ano de 1951 foi a vez de Bellíssima, que contou com Anna Magnani, Walter Chiari e Alessandro Blasetti. O primeiro registro colorido veio três anos depois, em 1954, Senso, estrelado por Alida Valli e Farley Granger. Novamente, três anos após essa data, em 1957, Luchino recebe a primeira prova que está seguindo no caminho certo e recebe o Leão de Ouro do Festival Internacional de Cinema de Veneza pelo filme Noites Brancas.

Depois desse momento, na vida do diretor foram apenas sucessos. Prova disso foi o seu primeiro êxito de bilheteria, no ano de 1960 com a produção, Rocco e seus irmãos. No ano de 1963, trouxe ao mundo O Leopardo, sua obra mais respeitada e de maior sucesso de crítica e comercial. Obra vencedora do Palma de Ouro do Festival de Cannes. Claro que houve grandes sucessos, muitos deles, acabaram sendo comentados apenas nas rodas dos grandes cinéfilos, contudo, uma de suas obras pode ser conhecida e vista atualmente, o clássico Morte em Veneza de 1971.

 

Particularidades da vida de Luchino

 

Apesar de ter se relacionado com diversas mulheres durante seus trabalhos e viagens pelo mundo, Luchino nunca escondeu sua homossexualidade, prova disso foram os relacionamentos duradouros que manteve com alguns homens que faziam parte de suas produções, como por exemplo, com o cenógrafo Franco Zefirelli e também com o ator austríaco, Helmut Berger.

Após, Morte em Veneza, Luchino começou a trabalhar em Ludwig, mas, durante as filmagens foi acometido de um ataque cardíaco que o prendeu em uma cadeira de rodas até o dia de sua morte, no ano de 1976. Mesmo assim, o diretor não deixou de trabalhar e trouxe ao mundo grandes obras: Violência e Paixão e L’innocente, a última obra do grande diretor.

 

Obras de Luchino

 

Filmografia

 

 

Documentários

 

 

Teatrografia

 

 

Prêmios

 

  • Recebeu uma indicação ao Óscar de Melhor Roteiro Original, por La Caduta degli dei (1969).
  • Indicação ao BAFTA de Melhor Diretor, por Morte a Venezia (1971).
  • Ganhou 2 vezes o Prêmio Bodil de Melhor Filme Europeu, por Rocco e i suoi fratelli (1960) e Morte a Venezia (1971).
  • Ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, por Il Gattopardo (1963).
  • Vencedor do Prêmio do 25º Aniversário no Festival de Cannes, por Morte a Venezia (1971).
  • Ganhador do Leão de Ouro no Festival de Veneza, por Vaghe stelle dell’Orsa… (1965).
  • Ganhou o Leão de Prata no Festival de Veneza, por Le Notti bianche (1957).
  • Ganhador do Leão de Prata no Festival de Veneza, por Rocco e i suoi fratelli (1960).
  • Ganhou o Prêmio FIPRESCI no Festival de Veneza, por Rocco e i suoi fratelli (1960).
Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta