Home>Cultura>Casa de Anne Frank e o Holocausto em diário

Casa de Anne Frank e o Holocausto em diário

Anne Frank foi uma garota com descendência judaica que viveu confinada por causa do Nazismo. Como era essa casa em que ela habitava?

 

Do tipo museu biográfico e casa do escritor, a Casa de Anne Frank está localizada em Amsterdã, Holanda. Anne, seus pais, irmã e outras três pessoas permaneceram nessa casa por mais de dois anos. A garota se tornou famosa porque manteve um diário durante todo esse tempo que ficou escondida dos nazistas. O abrigo foi denunciado e a família foi levada aos campos de concentração culminando com a morte trágica da pequena escritora.

A Casa de Anne Frank abriu em 1960 e no ano passado 1,3 milhões de pessoas foram conhecer o Anexo Secreto (parte detrás do edifício) onde Anne Frank vivia. Antes, o espaço era visitado apenas pelos curiosos. Até que o dono do local recebeu uma proposta para a construção de uma fábrica, o que levou a ativistas reagirem e impedirem a demolição.

Otto Frank, o pai de Anne, sobreviveu o período e conseguiu transformar a casa em museu. O desejo dele, que morreu em 1980, era possibilitar uma conexão entre pessoas de diferentes culturas e etnias, algo que contrasta com o período de violência e segregação racial que assassinou toda a sua família. 

Conhecendo a Casa de Anne Frank por dentro

Agora que passamos pela história do museu, continue lendo o texto para saber mais como ele é internamente!

O quarto de Anne Frank

Ela dividia o cômodo com Pfeffer, um dentista amigo da família. A convivência com ele era difícil, segundo o próprio diário. Ele parecia ser egoísta e discutia com ela. Mas Anne colava fotografias e imagens de filmes na parede para melhorar o ambiente. As figuras ainda estão lá para serem vistas na Casa.

A sala do diário

No museu, existe uma sala separada para o diário: o famoso diário vermelho em que Anne Frank relatou tudo o que viveu na casa. Ela recebeu o caderno aos 13 anos de idade, em 1942, e quando acabaram as folhas ela pegou outros cadernos para continuar escrevendo. 

Além dele, Anne escreveu um “livro de citações favoritas” e um “livro de contos”, com histórias curtas inventadas por ela, também disponíveis no museu. 

O que mais você pode achar no museu

Por todo o espaço, é possível encontrar vários objetos usados por Anne e as pessoas da casa, como um armário de livros e um mapa da Normandia. Na casa também há uma parede com marcações da altura de Anne e sua irmã Margot feitas pelos seus pais.

Exposições temporárias

A exibição “A outra casa da família Frank” foca no apartamento e na vizinhança que os Frank moravam antes de se mudarem para o Anexo. Ela também aborda a vida dos judeus naquela época.

Já a exposição “Reflexões sobre Anne Frank” são projeções nos quais 22 escritores, além de atores e visitantes, falam o que Anne Frank representa para eles.

Funcionamento e valores de entrada

O museu está fechado agora por conta da pandemia do coronavírus, mas voltará a receber os visitantes em junho. O ingresso para os adultos está a €10,50 e a Casa funciona diariamente das 9 às 19h. 

Uma vez que o museu não foi construído para efetivamente receber turistas do mundo todo, ele também não foi elaborado com uma estrutura acessível. Portadores de algum tipo de deficiência física infelizmente podem ter muita dificuldade para visitar o local por conta das escadas.

Como alternativa a isso, existe a possibilidade de fazer uma visita online ao museu clicando aqui e acessando-o pelo Street View. 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta