Viagem Literária – Yasnaya Polyana

“A minha vida não está mais à mercê dos acontecimentos, cada minuto da minha existência tem um sentido incontestável. Agora possuirá o sentido indubitável do bem que eu sou capaz de infundir!” 

Liev Tolstoi (Anna Kariênina)

Antes mesmo de visitar Yasnaya Polyana, eu sentia essa frase bater em meu coração, mesmo não lembrando dela com detalhes. Depois de hoje (26 de maio), faz mais sentido ainda.

Ontem, vários ficaram surpresos e assustados quando disse que iria ao interior da Rússia sozinha, sem falar russo e sem internet. O engraçado eh que tive contratempos ainda em Moscou, mas encontrei pessoas adoráveis que me deram a mão e me ajudaram.

Hoje foi dia de andar nos mesmos caminhos que meu autor favorito. Pegar o trem na mesma estação que ele pegava, e ver a mesma vista que ele via.  26 de maio foi dia de Tolstoi.

Logo após retornar para Moscou escrevi esse curto texto no meu instagram. No dia, meu coração estava cheio de alegria, completamente realizado em visitar um lugar que sonhei por muitos anos.

Assim como muitos, sempre imaginei como seria a vida de Tolstói, meu autor preferido, como era seu dia a dia e encontrava inspiração. Ao chegar à fazenda fui percebendo de onde a inspiração chegava a ele.

Beleza local

túmulo de Liév Tolstói

O local é grande e belíssimo. A simplicidade de sua residência me deixou orgulhosa de ver que ele vivia o que pregava (Tolstói acreditava no socialismo, chegando a escrever sobre isso). Ele acordava cedo, ajudava na colheita e até mesmo criou uma escola na propriedade para os filhos dos funcionários. Vivia de modo simples, pois não acreditava precisar de tantos luxos.

Após sua morte sua esposa, Sofia, acreditava que a história de seu esposo deveria ser mantida para as gerações posteriores e chegou a sugerir que o Estado comprasse a propriedade e transformasse em museu. O governo russo se recusou, mas apesar disso, Sofia catalogou tudo que havia na casa e manteve o quarto e escritório de Tolstói intacto.

Passei uma tarde inteira lá caminhando pelos locais e visitando a casa onde ele morou. Infelizmente, não é permitido fotos ou gravações no interior da residência. A visita é sempre guiada e somente em russo (mas ainda assim vale a pena visitar).

Como Chegar

Ha duas opções de trem para chegar até Tula – o de alta velocidade duea 2 horas e é mais confortável, já o segundo para em todas as cidades e é bem simples, a duração da viagem pula para 4 horas.

De Tula (cidade mais próxima da fazenda) ou se pega um táxi, ou duas linhas de ônibus. Não é fácil chegar, ainda mais sem o russo. Pedi ajuda em uma banca de revista e a dona, uma senhora muito gentil, me ajudou como pôde mesmo sem falar inglês e me arrumou um táxi para lá. O valor ela me informou digitando na calculadora. Nem mesmo em Yasnaya Polyana falam inglês. A casa que pertencia ao avô de Tólstoi (e  a maior) é hoje a administração do museu.

A cada dois anos a família Tolstói viaja de todo o mundo para se reencontrar em Yanasnaya Polyana, 2018 foi um desses anos. Há um festival que acontece por la durante esse encontro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.