Eva Luna

Eva Luna foi o último livro lido no desafio literário de 2017. Considero que foi um fechamento com chave de outro, pois trata-se de um livro muito especial. Eva Luna é uma novela, narrada em primeira pessoa. Eva é a protagonista e narradora de sua própria história e nada mais significativo para terminar uma lista de leituras de obras escritas por mulheres, onde as principais personagens são mulheres. Somos mais que capazes que contar nossa própria história e isso é lindo!

eva lunaVamos a um breve resumo do livro. Como foi dito, Eva Luna conta sua própria história desde antes de seu nascimento (para isso recorre ao que foi contado por sua mãe) até sua vida adulta. Durante parte da infância, Eva vive com sua mãe na casa onde ela trabalha. Porém, ainda muito jovem fica a cargo de sua madrinha, quando a mãe morre precocemente. A partir daí diversas pessoas aparecem na vida de Eva, geralmente para ajudá-la e durante o livro vamos conhecendo as histórias desses personagens também. Aliás, Eva Luna é uma ótima contadora de histórias. Mesmo sem saber ler ou escrever, ela usa sua imaginação para criar personagens e tramas que não apenas entretêm aqueles que convivem com ela, mas também são uma maneira que encontra para organizar a realidade ao seu redor e às vezes, por que não, fugir um pouco dela. A vida de Eva Luna é cheia de encontros e reencontros e percebemos que as pessoas que cruzam seu caminho têm um papel importante não apenas para sua própria vida, mas também no contexto mais amplo no qual se passa a história do livro.

Pensar nesse contexto é algo interessante. Isabel Allende nos insere em um contexto histórico-social, mas não define um lugar. Em diversas passagens do livro, quando quer fazer alguma referência a isso, ela diz algo como: “um país da América do Sul”, ou “um lugar ao sul do Equador”. Algumas características geográficas podem nos fazer pensar que a história se passa na Venezuela, mas isso nunca é afirmado no livro e o contexto poderia se aplicar, de fato, a qualquer país da América do Sul. O pano de fundo é um país marcado por uma ditadura militar, guerrilhas, o início de uma democracia que nunca se estabiliza de fato, onde os poderosos da classe econômica dominante tomam as decisões, enfim, um lugar que poderia ser, inclusive, o Brasil.

Essa é uma característica muito interessante desse livro. Isabel Allende apresenta características de diversos países da América do Sul e nos oferece, inclusive, uma visão bastante crítica da nossa história. Temas como a violência do Estado (muito presente também A Casa dos Espíritos), a imigração, a prostituição, a pobreza, a questão da mulher e até sobre transexualidade aparecem neste livro. As histórias dos personagens se confundem com a história do país e se encontram com Eva Luna nos diversos momentos de sua vida.

Quero evitar dar spoilres, então não vou entrar em detalhes do livro e deixarei os comentários abertos para isso. Se você já leu Eva Luna, comente o que achou, vamos trocar ideias. Se ainda não leu, recomendo bastante e espero que volte aqui depois para me contar suas impressões.

….

A edição que li de Eva Luna é essa da foto, em espanhol. Mas tem uma edição em português publicada pela editora Bertrand.

Com Eva Luna terminamos o desafio literário de 2017. Para ver a lista completa com os links de todas as publicações, clique AQUI. Em breve contarei como foi essa experiência para mim e também darei início às publicações do desafio literário de 2018.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.