Home>Resenhas>Audiobook facilita o acesso à cultura

Audiobook facilita o acesso à cultura

O conhecimento é um direito de todos e é uma importante ferramenta para a vida, afirma a escritora e terapeuta de escrita expressiva Lella Malta

 

Os audiobooks ou audiolivros têm ganhado cada vez mais espaços na vida dos brasileiros. Isso porque, além de ser uma ferramenta acessível para pessoas com limitação na visão ou deficiência visual total, ouvir livros é considerado também uma ótima opção para quem deseja otimizar o tempo. Sendo assim, uma ferramenta simples e prática.

Segundo a escritora e terapeuta de escrita expressiva Lella Malta, o audiolivro é um importante avanço que garante acessibilidade ao mundo literário. “São muitos os apelos da sociedade para esse tema. E o audiobook é uma excelente proposta para que pessoas com deficiência visual possam consumir cultura” afirma Malta. Além de ser uma ferramenta inclusiva, segundo Lella, muitos ouvintes aproveitam a tecnologia para otimizar o tempo.

Vale ressaltar ainda que, no mercado literário brasileiro, este formato está aquecido, incentivando, inclusive, grandes editoras e distribuidoras, bem como os próprios autores, a embarcarem de vez na onda do tal livro “falado”. Lella afirma que “é tempo de se ‘ler’ também com fones de ouvido!”

Pensando nisso, em formato de podcast, no dia 12 de setembro, Lella lançará o audiobook do livro “Prazer, Paniquenta: Desventuras Tragicômicas de Uma Ansiosa”. Nele, a autora traz, em uma autobiografia, contando os desafios enfrentados por aqueles que sofrem com o transtorno de ansiedade.

“Foram 6 horas de gravação que se transformaram em 3 de narração. Uma experiência ímpar para quem está acostumado a viver digitando atrás da tela de um computador. São as minhas palavras literalmente ganhando voz no mundo. E poder lançar isso em um setembro amarelo, voltado para prevenção do suicídio, é certeiro”, afirma e escritora.

Com linguagem leve e acessível, Lella considera a obra indispensável para quem sofre de ansiedade ou depressão, além daqueles que desejam compreender e mergulhar, ainda que por um breve tempo, na dor do outro.

“O livro gira em torno da saúde mental, temática ainda vista como tabu, mesmo em um país com casos cada vez mais crescentes de autolesão. É urgente a necessidade de falarmos abertamente sobre ele”, explica Malta.

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta