Home>Resenhas>Livros para Entreter e Formar

Livros para Entreter e Formar

LeYa Brasil aumenta catálogo infanto-juvenil e vê a Bienal como reforço para o gênero num ano especialmente desafiador para estudantes, pais e professores

 

Qual a importância da leitura num período de aulas no modelo exclusivamente remoto e com crianças fora das salas de aula? Pensar sobre essa pergunta e investir na leitura como entretenimento e formação foi uma das respostas da LeYa Brasil desde o ano passado, quando o espaço escolar e o lar passaram a dividir o tempo, a atenção e o ambiente físico das crianças e dos adolescentes.

A diretora executiva da Editora, Leila Name, acredita que a Bienal Internacional do Livro 2021 tem a chance de reforçar os bons livros e de apoiar os pequenos leitores de hoje e futuros cidadãos, destacando para o mercado títulos que incentivam o hábito da leitura, fornecem conhecimento, maior vocabulário, além de estímulo à criatividade. Para isso, vale contar com o apoio fundamental de pais e educadores.

 

Infanto-Juvenis e HQ`s

Entre as indicações da LeYa Brasil para o público infanto-juvenil, está a coleção de três livros “Adèle, a terrível”, com mais de 8 milhões de exemplares vendidos só na França, seu país de origem, e publicada em dez países em todo o mundo. Os pequenos leitores disputam os quadrinhos com toda a família, pois ninguém resiste às suas histórias e tiradas. Mal-humoradinha, Adèle tem ideias geniais que sacodem a lógica dos adultos. Ela se tornou uma heroína sem superpoderes, mas cheia de imaginação e capacidade de misturar fantasia e realidade, maldade e ternura. Afinal, não é assim que as crianças fazem, aprendem, surpreendem e ensinam todos à sua volta?

Também como HQ, uma nova edição de Crime e Castigo pretende atrair novos leitores e renovar o público do romancista Fiódor Dostoiévski, colaborando com o processo de formação e capacitação dos leitores contemporâneos.

E é nesta linha da contemporaneidade que o pesquisador Paulo Rezzutti, vencedor de Prêmio Jabuti, encanta os pequenos leitores da Bienal, na sua estreia como autor para este público, com Princesinhas e Principezinhos do Brasil. O autor revela que a vida da realeza não era nada fácil para os pequenos nobres e persevera na recuperação e divulgação da História do Brasil, num trabalho fundamental de compreensão do passado para uma ação propositiva, no presente, de um futuro melhor. O mesmo autor é o primeiro brasileiro a publicar um livro sobre Os últimos czares: uma breve história não contada dos Romanovs, lançado no final de 2021.

A felicidade de Laila, O PumO Vírus do Amor e Mau Humor, sucessos no exterior e escritos por Mariahadessa Ekere Tallie, Laurie Cohen, Nicolas Gouney Charlotte Zolotow e Geneviève Godbout, respectivamente, destacam a relevância desses livros e seus temas no processo que leva as crianças a se tornarem cidadãos ativos, conscientes e críticos. Destacamos, ainda, títulos como Olívia em A Receita, de Izabel Aleixo, que ajudam os leitores a entenderem um pouco melhor suas próprias emoções e, assim como, as dos adultos à sua volta.

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta