Home>Cultura>O que é Metaficção

O que é Metaficção

A metaficção é, em seu sentido original, um estilo de texto que revela de forma proposital os mecanismos de produção de um trabalho literário. Por extensão e em um uso mais recente, ela serve também para designar algumas outras expressões artísticas.

Histórias e romances que experimentam, examinam ou zombam de convenções da própria ficção podem ser taxadas como metaficção. O termo significa literalmente “além da ficção” ou “sobre a ficção”, indicando que o narrador ou autor está acima do texto ficcional e o observa ou julga de maneira autoconsciente.

É importante ressaltar que, ao contrário da análise ou crítica literária, a metaficção em si é ficcional. Simplesmente falar sobre a obra de ficção não torna o trabalho uma metaficção. Ainda está confuso? Compreenda melhor a metaficção nos próximos tópicos.

 

Exemplos de metaficção

Essa prática não se restringe à literatura moderna. É possível notar a metaficção sendo utilizada nos “Contos de Canterbury”, obra de Chaucer, um escritor do século XV. É possível perceber também o uso dessa prática nos livros de Miguel de Cervantes, “Dom Quixote”. Essas duas obras são consideradas obras primas do gênero.

O trabalho de Chaucer conta a história de um grupo de peregrinos que se dirigem a um santuário de São Tomás Becket, que conta as suas próprias histórias como uma parte de competição para ganhar uma refeição grátis. 

Já em “Dom Quixote” se conta a história do homem de La Mancha que se inclina em moinhos de ventos para restabelecer as tradições da cavalaria.

São dois livros importantes para quem pretende compreender o uso da metaficção no seu estado puro, sendo obras antigas que já utilizavam essa técnica que para alguns é inovadora.

 

Metaficção e Sátira

Um tipo proeminente de metaficção que é bastante usada é a paródia literária ou a sátira. Embora as obras sempre envolvem narração autoconsciente, elas ainda são classificadas como uma metaficção pois chamam atenção para gêneros e técnicas de escritas populares.

Entre os exemplos mais consumidos desse tipo de metaficção estão “Northanger Abbey”, de Jane Austen, que apresenta um romance gótico e a zombaria despreocupada. O livro “Ulysses”, de James Joyce, reconstrói e satiriza os estilos de escrita ao longo da história da língua inglesa.

O livro clássico “As Viagens de Gulliver”, de Jonathan Swift, é um clássico do gênero, que faz paródia de políticos contemporâneos, mesmo que notavelmente muitas das referências do autor sejam disfarçadas de forma exemplar, ele consegue transmitir as ironias através de todo o livro.

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta