Home>Arte>Miniaturas RPG com pegada indígena disponível para apoio no Catarse
Miniaturas de Aredze Xukuru

Miniaturas RPG com pegada indígena disponível para apoio no Catarse

Financiamento coletivo do artista plástico Aredze Xukuru está em 83% e continua até o dia 07 de maio

Ao pensar em jogos de RPG automaticamente nossa memória visual nos leva a personagens europeus. Magos, ladrões, guerreiros, em geral brancos e com porte explorador. Mas, e se tivéssemos a oportunidade de jogar com miniaturas indígenas?

É com essa pegada que o artista plástico, Aredze Xukuru, criou as personagens em miniatura baseadas, em especial, na cultura Xukuru e vem, desde 2017, criando mais obras. As miniaturas já são conhecidas pelo público do RPG e na comunidade indígena nas redes sociais, por meio da participação como item de recompensa em outros Catarses e posts no instagram e facebook do artista.

https://www.instagram.com/p/CGlHeJJs14d
kriança índia (foto yoko teles)

Aredze busca por meio da plataforma de financiamento coletivo Catarse o apoio de entusiastas do universo das miniaturas, seja para jogo ou para coleções. A ideia é criar um set para um novo jogo, o wargame Kakrove, que na língua Xukuru se traduz como “guerra”.

Para a criação das peças disponíveis para este Catarse, Aredze explica sobre o trabalho de pesquisa, que tem como meta o wargame, ainda sem previsão de lançamento. “O processo de escolha é feito por povos específicos para o jogo Kakrove. Mas também existem miniaturas que não o compõem (e estão no projeto no catarse) e servem para outros modelos de RPG ou, simplesmente, para quem gosta de colecionar e pintar miniaturas”, informa.

Na página do projeto encontram-se diversas formas de participação, sendo o set completo composto de 48 figuras, dentre elas miniaturas que já foram cedidas para outros financiamentos da plataforma, como a Kriança Índia, o Kuniage e o Tybyra, este último esteve na campanha do livro Tybyra de Juao Nyn. O apoio já está em 83% e faltam mais 14 dias para a campanha ser finalizada.

Com a ampliação de vozes indígenas nas redes sociais, fica cada vez mais acessível seguir e acompanhar as artes plásticas, audiovisuais e a literatura das comunidades brasileiras. Essa acessibilidade é imprescindível para que o protagonismo indígena seja reconhecido e representado pelos atores destas comunidades.

“Eu aconselho chamarem indígenas para trabalharem em projetos, pois só a representatividade comercial não é suficiente, é preciso haver um protagonismo e ver indígenas tomando espaços que muitas vezes são negados a nós. Eu espero ver mais protagonismo, seja na produção artísticas e em outros espaços também”, finaliza Aredze Xukuru.

Para apoia o Catarse Miniaturas Indígenas de Aredze Xukuru, clique no link: https://www.catarse.me/kiya-miniaturas

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta