Home>Notícias>Um dia chegarei a Sagres Analisada em edição Virtual de Clube de Leitura

Um dia chegarei a Sagres Analisada em edição Virtual de Clube de Leitura

Durante o encontro virtual, a professora e escritora gaúcha apresentará o romance épico Um dia chegarei a Sagres, o mais recente trabalho da premiada escritora Nélida Pinon.

 

O Clube de Leitura do Instituto Ling iniciará seu quarto ano de atividades com um encontro virtual e gratuito para analisar e discutir o romance épico Um dia chegarei a Sagres, da premiada autora carioca Nélida Piñon.

A atividade será conduzida ao vivo pela escritora e professora de literatura da UFRGS Jane Tutikian que apresentará detalhes sobre o livro de ficção, publicado no fim de 2020, marcando o retorno de Nélida às prateleiras após 15 anos sem publicações inéditas. O evento on-line acontece na próxima terça-feiradia 23 de março, às 18h30, em plataforma digital. Para participar, é necessário fazer inscrição prévia e sem custo no site do instituto.

Quem é Nélida Piñon

Nascida no Rio de Janeiro de 1937, descendente de galegos, Nélida elegeu para si o ofício de escritora desde criança. Publicou seu primeiro romance em 1961, o Guia-mapa de Gabriel Arcanjo, dando início a sua trajetória na literatura. Outras publicações seguiram e o reconhecimento não tardou a chegar: seus primeiros prêmios vieram em 1970 e 1973, para os romances Fundador e A Casa da Paixão, respectivamente. Em 1990, foi empossada como imortal pela Academia Brasileira de Letras e, em 1996, por ocasião do centenário da Academia, tornou-se a primeira mulher a presidi-la. Em 2005, pelo conjunto de sua obra, recebeu o importante Príncipe de Astúrias, e, em 2012, foi nomeada Embaixadora Ibero-Americana da Cultura. É doutora honoris causa das universidades Poitiers, Santiago de Compostela, Rutgers, Florida Atlantic, Montreal e UNAM.

Nélida Piñon não publicava um romance inédito desde Vozes do Deserto, de 2004. Com Um dia chegarei a Sagres, a autora oferece ao público um épico passado no século XIX, em um Portugal profundo, produto da fé na tradição oral e na cultura da memória. Narrada em primeira pessoa, a obra conta a história de Mateus, filho abandonado de uma prostituta, criado pelo avô, provocando inúmeras reflexões enquanto trata de sexualidade, literatura, tempo, cultura e a identidade portuguesa.

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta