Home>Biografia>Nascimento, glória, fim e retorno de Os Mutantes

Nascimento, glória, fim e retorno de Os Mutantes

Os Mutantes é uma das bandas mais interessante e influentes do país. Conheça a história da banda, como ela acabou e porque voltou.

A banda Os Mutantes nasceu em meio ao movimento tropicalista brasileiro (que já mencionamos neste texto) mas até chegar a este nome, eles tiveram uma dificuldade para encontrar um nome para si.

Os Mutantes: o início

Os irmãos Arnaldo e Cláudio Baptista, com Raphael Vilardi e Roberto Loyola, criaram o grupo musical “The Wooden Faces”, em 1964. Logo depois chamaram Rita Lee e Sérgio, mais um dos Baptista. O novo nome da banda seria “Six Sided Rockers” e depois “O conjunto e O’Seis”. Todos eles tinham por volta de 17 a 20 anos de idade na época.

As maiores influências do grupo vieram de grandes nomes do rock mundial, como Beatles, Jimi Hendrix, entre outros. Mas os Mutantes foram além que só guitarras e baterias, eles utilizaram a cultura brasileira para criar seu próprio estilo. Eles se tornaram pioneiros em mesclar instrumentos da música brasileira em suas músicas criando distorções e variados truques de estúdios, criando uma musicalidade única.

As primeiras canções dos Mutantes foram “Suicida” e “Apocalipse” ainda com assinando como O’Seis. Cláudio Baptista, Vilardi e Loyola saem da banda e ela muda de nome para, finalmente, “Os Mutantes”, nome escolhido por Ronnie Von.. A inspiração veio de um livro chamado “O Império dos Mutantes”, de Stefan Wul. Na narrativa, os seres humanos emigraram para planetas-paraíso distantes do sistema solar e um cientista é chamado de volta à Terra, onde acaba criando vários clones de uma criança anormal. 

Ao contrário da maioria das bandas e cantores, Os Mutantes começaram na televisão, antes mesmo de possuírem um álbum lançado. Eles foram ao ar pela primeira vez no programa televisivo “O Pequeno Mundo de Ronnie Von”, em 1966,  apresentado por um astro da Jovem Guarda. No ano seguinte, se apresentaram em outros programas e gravaram “Domingo no Parque”, com Gilberto Gil, o que os levou a se aproximarem do Tropicalismo, o movimento artístico vinculado ao Modernismo e ganhando mais espaço junto ao público.

Sucesso, expulsão de Rita Lee e o começo do fim

Foi apenas em 1968 que a banda conseguiu assinar com sua primeira gravadora. No mesmo ano eles lançaram o primeiro disco: “Os Mutantes” — inovador, com composições de Caetano Veloso, e, ao mesmo tempo, influenciado pelos Beatles. Um episódio também marcante foi quando a banda tocou com Caetano Veloso “É Proibido Proibir” nas eliminatórias do Festival Internacional da Canção em 1968, em que o público vaiava e jogava ovos nos integrantes; os quais responderam virando as costas para o público e tocando normalmente.

Com o fim do Tropicalismo, a banda se entrega de vez ao rock, depois de várias apresentações no exterior. Em 1971, Rita Lee se casa com Arnaldo Baptista (para conseguir independência dos pais). Futuramente ele mesmo a expulsa da banda. 

A própria Rita Lee menciona o episódio com detalhes em sua biografia:

“A gente resolveu que a partir de agora você está fora dos Mutantes porque nós resolvemos seguir na linha progressiva-virtuose, e você não tem calibre como instrumentista”.

Foi a frase de Arnaldo Baptista para Rita. De acordo com a própria cantora, ela mesma pegou suas coisas e saiu de casa no mesmo dia. Um ano depois, Os Mutantes aderem ao rock progressivo.

Em todas as músicas do disco “O A e o Z” os artistas estavam sob os efeitos de ácido lisérgico (LSD). Isso não foi aceito pela gravadora, por isso o álbum não foi lançado imediatamente. Arnaldo passou a ter problemas de saúde, principalmente por causa do LSD, o que levou à mudança dos integrantes e, inevitavelmente, o fim de Os Mutantes.

Retorno dos Mutantes?

Em 2006, foram homenageados em uma mostra cultural em Londres, a “Tropicália – A Revolution in Brazilian Culture”. Zélia Duncan cantou no lugar de Rita Lee, que recusou o convite ao evento, certamente pelo rancor que ainda sente por sua expulsão repentina. Nação Zumbi e Devendra Banhart, um músico texano entusiasta dos Mutantes, abriram o show.

Eles tocaram em Londres, nos Estados Unidos e no Brasil, já em 2007. Porém, em setembro desse mesmo ano Zélia e Arnaldo saíram da banda. Bia Mendes ocupou os vocais e a banda seguiu, com Sérgio Dias e Dinho Leme. Em 2013, lançaram o disco “Fool Metal Jack”. Em 2017, lançaram uma música criticando Donald Trump, sendo esse o trabalho mais recente.

Diferenciais

Os Mutantes ficaram conhecidos por terem equipamentos de som exclusivos, como pedais e amplificadores personalizados. Sérgio Dias possuía uma guitarra de ouro que amaldiçoava quem fizesse um uso inadequado dela. Isso contribuiu, parcialmente, para o grupo ser um dos mais influentes no exterior. Até Kurt Cobain declarou ter sido influenciado por eles.

Plano Crítico criou uma postagem completa sobre os arrojados significados presentes em toda a discografia de “Os Mutantes”. Clique aqui e confira!

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta