Home>Resenhas>Trilogia O Senhor dos Anéis – O Livro

Trilogia O Senhor dos Anéis – O Livro

O Senhor dos Anéis não pode ser chamado de livro ou até mesmo de filme, na verdade, uma realização desta proporção só pode ser chamada de marco histórico da humanidade, afinal de contas, o que Tolkien conseguiu com sua obra, não está escrito em nenhum gibi, por mais épico que este gibi seja.

O livro, O Senhor dos Anéis, não começou com a Sociedade do Anel e muito menos com a forjadura do Um Anel, na verdade, nasceu um pouco antes, quando a Terra Média era assolada apenas por um outro mal. Esse mal pode ser conhecido em outro livro de sucesso “O Hobbit”.

O Hobbit foi o primeiro trabalho de Tolkien a ganhar o mundo e, devido a sua cadência e fantasia, acabou se tornando um grande sucesso entre os jovens. Tolkien, nessa época, com seus quarenta e cinco anos, não tencionava em regressar ao mundo dos Hobbits.

Mas, a editora do autor inglês tirou o mestre de sua dedicação às estórias mais infantis e eis que vem ao mundo, uma das maiores sagas fantasiosas e épicas de todo universo “O Senhor dos Anéis”. Primeiramente, era para ser um livro único, no entanto, para a época, ele acabou sendo dividido em três partes perfeitas e maravilhosas.

 

O senhor dos anéis e a sociedade do anel

 

No primeiro livro da trilogia, Tolkien nos convida cordialmente para atravessarmos as terras criadas em sua mente, conhecendo seus povos, línguas e costumes de um mundo tão perfeito, que às vezes pensamos: será que isso realmente é apenas ficção… E tal sensação é propositadamente plantada pelo escritor devido à sua entrega ao trabalho.

Bom, sobre a história, tudo começa em uma toca, não uma toca suja, mas sim, aconchegante e com muita comida. Gandalf, o cinzento, um dos grandes personagens da obra, chega á vila dos hobbits, justamente durante a festa de aniversário de Bilbo Bolseiro, o hobbit que acompanhamos no primeiro livro sobre a Terra Média.

Inspirado em mitos celtas, onde os magos eram seres inteligentíssimos e perspicazes, Gandalf pressente o que Bilbo guarda em segredo e sabe que o momento do Um Anel está chegando e precisa ser destruído o quanto antes, mas Bilbo, passou tempo demais com ele e, provavelmente não seria capaz de destruí-lo. Por isso, entra na jogada, Frodo Bolseiro.

Frodo Bolseiro se torna o portador do Um Anel, o responsável por carregar carga tão pesada através de toda Terra Média até a Montanha da Perdição, em Mordor, onde o Um Anel foi forjado por Sauron. 

Em A Sociedade do Anel, acompanhamos a união dos povos da Terra Média para ajudar Frodo em sua missão. Essa sociedade foi formada por Gandalf, Frodo, Sam, Merry, Pippin, Legolas, Gimli, Aragorn e Boromir. Membros de povos distintos que Tolkien nos apresenta e nos leva a conhecer de uma maneira tão divertida.

Claro que, no filme, as coisas funcionam diferente dos livros e a amizade de Legolas e Gimli no livro é muito mais evidente e, podemos dizer, mais descarada que no livro. No filme, essas duas figuras que não confiavam um no outro terminam por  contar quantos orcs vão matando em suas investidas.

É nesta parte que vamos conhecendo o inimigo, seus ajudantes e também, seus aliados, como Saruman, o Branco, um dos magos mais poderosos de toda Terra Média que acaba sucumbindo às promessas de Sauron. 

Claro que os detalhes no livro são muito mais ricos que no filme. Tolkien é criticado por algumas pessoas devido à quantidade de detalhes. Para alguns, torna a saga maçante, para outros, perfeita e completa. 

E todos os eventos culminam para um único objetivo: a dissolução da sociedade. Boromir acaba caindo na sedução do Um Anel, tenta toma-lo de Frodo que lembra-se do aviso de Galadriel e decide fugir.

Mas Sam, seu fiel amigo o segue e o restante dos membros da Sociedade acabam travando uma batalha com os Uruk-hais, uma abominação criada por Saruman no cruzamento de Orcs com Gnomos.

 

O Senhor dos Anéis As Duas Torres

 

Em As Duas Torres acompanhamos o desenvolvimento do inimigo. De um lado temos a torre de Saruman e do outro lado, em Mordor, a torre de Sauron. Ambos começam a reunir um exército poderoso para extinguir a raça dos homens.

Os exércitos de Sauron, estão focados em Gondor, já o de Saruman, de olho na Terra dos Cavaleiros, Rohan, onde reina Théoden. Um detalhe bem interessante é que Théoden já estava dominado pelas forças do mal.

Saruman havia possuído sua mente e colocou ao seu lado, Grima – Língua de cobra, para certificar que todas as ordens seriam seguidas conforme o desejo do mago branco. O reino de Rohan conhece a decadência, pelo menos até Gandalf ressurgir como mago branco.

Ele liberta o rei de Rohan com intuito de lutar contra as forças do mal, no entanto, depois de perder seu único herdeiro e avisado do exército de Saruman, em vez de lutar decide fugir para o Abismo de Helm, fortaleza que protegia seu povo em outras batalhas.

Mas, foi lá que Théoden trava sua maior batalha. O exército de Saruman, conhecendo a fraqueza da fortaleza, decide marchar contra o rei e a batalha só não foi perdida devido a intervenção de Gandalf que traz de volta o sobrinho do grande rei.

 

O Senhor dos Anéis e o Retorno do Rei

 

A parte final da trilogia segue o rumo para o retorno do herdeiro do trono de Isildur de volta à cidade de Gondor. Seu nome, Aragorn, um dos últimos Dúnedain e também, para a caminhada de Frodo e Sam, com ajuda de Gollum, através das terras ermas até seu destino: a montanha da perdição.

Aragorn sabe que não tem como vencer os poderosos exércitos de Sauron, que, além de orcs, reuniu todos os povos malignos da região. Mesmo sem muitas esperanças, Aragorn segue para a guerra, pelo menos, até o momento que, Elrond, um dos maiores elfos, decide ajuda-lo forjando a destruída espada de Isildur.

Com essa espada, Aragorn consegue intimar o exército de fantasmas que habitam uma montanha. Segundo o livro, aquele era o lar dos traidores que prometeram ajudar Isildur, mas que acabaram fugindo com medo.

Aragorn segue para a guerra mais confiante e Frodo e Sam começam a viver os piores momentos de sua viagem. Durante esse percurso, ambos começam a ter sua coragem e amizade testada pelo poder do anel e também pelo desejo de Gollum pelo o Um Anel. E finalizando com a conclusão do título do livro.

O último livro da saga culmina em diversas aventuras e batalhas que transformaram o Senhor dos Anéis em um norte para diversas sagas fantasiosas. Claro que as informações encontradas aqui, não chegam nem perto da grandiosidade de todo conteúdo.

É apenas um grande e mal feito resumo, baseado no livro e nas informações que podemos lembrar com auxílio dos filmes que, a parte, foram grandes sucessos de bilheteria. E falando em filmes e livros, um detalhe bem interessante que não é mostrado nos filmes é… Os momentos que Merry e Pippin passam em companhia de Barbárvore, mas, as diferenças entre os livros e os filmes é assunto para uma outra postagem.

Assinatura

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta