Matrix

Alguns filmes nascem para reestruturar todo mecanismo da indústria cinematográfica. Em Jurassic Park, podemos perceber isso, foi uma evolução em termos de efeitos e computação gráfica e abriu campo para um melhoramento da técnica. Mesmo assim, Jurassic Park foi um filme grandioso, mas não um divisor de águas como Matrix.

Podemos dividir a história da Sétima Arte em duas etapas: antes e depois de Matrix. Um filme que, por incrível que pareça, foi desacreditado por diversas produtoras e até mesmo por grandes atores. E para você ter uma ideia melhor do que estou dizendo: você sabia que os estúdios da Warner foi a última opção de seus realizadores? E, para o papel de Neo, Will Smith foi chamado, mas negou o pedido por causa do Homens de Preto?

Pois é, quando lembro desse detalhe, penso o quanto esse ator pode estar arrependido por não ter aceitado trabalhar em um filme que só tornou febre no mundo inteiro. O contexto ideológico e filosófico de Matrix foi tão longe que, sua essência acabou sendo fragmentada em tudo que envolvia o universo Matrix.

 

O primeiro filme da saga

 

O primeiro Matrix chocou, abalou, encantou e tudo mais que possamos pensar. Foi uma das maiores bilheterias da Warner e, particularmente, foi um dos filmes que mais permaneceram em cartaz nos cinemas. Eu mesmo assisti umas vinte vezes no cinema e até hoje, quando bate saudade, assisto.

E por que? Por que um filme sempre tem algo para nos mostrar independente de quantas vezes já assistimos. Mas, vamos voltar ao assunto… O primeiro Matrix tomou o mundo de assalto e Keanu Reeves, Laurence Fishburne e os demais atores do elenco, se destacaram ainda mais em sua profissão.

Tudo bem que alguns desapareceram, mas para esses dois citados, estar em um filme dessa magnitude os ergueram um pouco mais acima das demais estrelas. Em Matrix, podemos perceber um roteiro coeso, com diálogos muito bem construídos.

A fotografia do filme também é linda e a direção de arte fez um trabalho incrível na mudança de tomadas quando o grupo estava dentro e fora da Matrix. Isso sem mencionar os efeitos especiais que tornaram o filme ainda mais interessante.

 

Os fragmentos de Matrix

 

Depois do enorme sucesso e das premiações ao Oscar, claro que seus produtores precisavam ir mais além dentro de sua fantasia cibernética e, inspirados nessa pegada, trouxeram ao mundo “Matrix Reloaded”, um filme que não trouxe a mesma filosofia e acabou se concentrando em um outro detalhe que Matrix se destacou sobre os outros filmes: as lutas.

No primeiro, temos um equilíbrio perfeito e harmonioso entre todos esses elementos, mas em suas continuações, os realizadores preferiram apostar mais nas lutas e por isso, o segundo filme acabou, naturalmente, indo para esse lado negro da força, sem muito se aprofundar no conteúdo.

Mas para seus realizadores, o universo Matrix precisava ser explorado até seu último bite e eis que lançam Animatrix e também um jogo que, continha algumas respostas e complementos para as outras produções.

E como o mundo estava fissurado e queria muito mais desse universo. O mundo inteiro buscou se aprofundar mais na matrix. Buscavam respostas, bases para teorias que foram se formando e sendo discutidas em qualquer roda de amigos, cinéfilos ou não.

 

A decepção dos fãs e a expectativa do universo Matrix

 

Matrix Reloaded fez alegria de muitos fãs, quer dizer, pelo menos daqueles que curtem filmes de luta. Já para aqueles que se apaixonaram pela filosofia do filme, foi uma grande decepção. Mesmo assim, não deixou de ser um sucesso e de expectativa para a terceira e última parte do filme: Matrix Revolutions.

Quando foi anunciado, o mundo inteiro vibrou e passou a curtir uma ansiedade a respeito dos próximos passos dos tripulantes da Nabucodonosor e do crescimento de seus personagens. Em Matrix Revolutions, encontramos um Neo mais seguro, mais ciente de seu propósito e de seus poderes. No entanto, repleto de uma aura messiânica.

O interessante que, as pessoas nascidas livres da Matrix o homenageavam como um deus, uma espécie de Jesus Cristo de uma era de máquinas e mundos virtuais. E, se formos parar para analisar e jogar esse contexto, atualizando aqui e ali, veremos que no fundo, isso pode fazer sentido. 

Enfim, mas, Matrix Revolutions também não trouxe de volta aquela filosofia louca do primeiro filme, mas sim, a continuação das batalhas homéricas de seu antecessor. Matrix Revolutions trouxe grandes batalhas, o confronto final entre máquinas e homens.

Particularmente, tem algumas mortes que chegaram a me fazer virar o rosto de tão fortes que achei quando assisti. E falando nisso, outra prova de que alguns filmes se transformam em uma espécie de obra de arte, não me recordo de ter assistido aos outros dois filmes da saga, mas quanto ao seu primeiro…

 

Matrix 2020

 

Coloquei 2020 de propósito pois, o filme foi anunciado para esse ano, mas segundo o IMDB, o filme só poderá ser assistido por nós em 2021. Agora é esperar para ver o que poderá acontecer nesse novo episódio de Matrix que, segundo o site é chamado de Matrix 4.

É algo que dá um certo medo, afinal de contas, estamos vivendo um momento em que as grandes produções vivem realizando reboots. Agora é esperar para ver o que assistiremos em um futuro próximo.

Será que o novo Matrix repetirá o sucesso de seu primeiro? Será que será apenas mais um episódio que não adicionará muito conteúdo à saga? Ou será, como essa nova filmagem de Blade Runner que, para muitos fãs, poderia ter investido esses milhões em um outro projeto.

Assinatura

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta