Home>Biografia>Pablo Neruda: Político ou Desaventurado?
neruda_Archivo Histórico del Ministerio de Relaciones Exteriores de Chile

Pablo Neruda: Político ou Desaventurado?

O autor escrevia de forma tocante e lírica. Mas, pessoalmente, vivia envolvido com política e outras polêmicas. Conheça agora esse lado de Neruda.

Conhecendo o poeta

Ele nasceu no ano de 1904, no Chile. Tragicamente, sua mãe morreu dois meses após o seu nascimento. Aos 10 anos de idade, ele compôs seu primeiro poema, mas o seu pai era contra a carreira literária. Felizmente, ele contava com o apoio de outras pessoas, principalmente na escola, a exemplo de Gabriela Mistral — poeta chinela e Nobel de Literatura.

Publicamente, o primeiro trabalho de Neruda foi um ensaio, que em tradução livre chama-se “Entusiasmo e Perseverança”, para um jornal. Desde então ele passou a escrever vários poemas e, aos 15 anos, adotou o pseudônimo “Pablo Neruda”, inspirado pelo poeta checo Jan Neruda.

No ano seguinte, ele entrou para a universidade. Seu curso era Letras (Francês) e ele queria ser professor. Porém, nem tudo saiu como o planejado e ele acabou indo trabalhar em um consulado na Ásia. Por conta da sua profissão, viajava bastante e foi na Holanda que conheceu sua primeira esposa, Marijke, conhecida como Maruca.

Neruda então retorna para o Chile, obtém mais cargos diplomáticos e até se torna amigo de Federico García Lorca. Ele tem uma filha com Maruca em 1934, que dá o nome de Malva, mas ela nasceu com sérios problemas de saúde e morreu aos 8 anos. A relação de Malva com Neruda foi delicada, ele nunca a tratou como filha de verdade. Além disso, ele acabou se divorciando de Maruca.

Depois desses eventos, a Guerra Civil Espanhola explode. Pablo passa a ser um militante comunista e, consequentemente, perde seu cargo no consulado. Jorge Luis Borges falava que o admirava como poeta, mas não como homem. Essa declaração foi feita justamente porque Neruda não quis criticar Juan Perón por medo de arruinar sua reputação.

Em 1948, Pablo Neruda sofre ameaças de prisão. Ele passa 13 meses se escondendo em casas para não ser pego. Nesse mesmo ano, o comunismo foi posto em ilegalidade. Enfim ele consegue se exilar na Argentina e até compartilha toda essa trajetória no seu discurso de posse do Prêmio Nobel em 1971. Anos depois ele se separa e se casa pela terceira vez. Neruda também vai para o México, onde produz o épico “Canto General” — texto que aborda a geografia, a flora e a fauna da América do Sul.

Nos anos 50, o comunismo volta a dominar Chile. Ele se torna embaixador de Allende na França e fixa moradia no Chile novamente. Posteriormente, três anos depois, ele é diagnosticado com câncer de próstata, mas, no mesmo ano, aos 69 anos, morre de insuficiência cardíaca.

Causas da morte

Em 2011, uma revista mexicana publicou uma entrevista inédita com o ex-motorista de Neruda. Ele relatou que ouviu o escritor acusando Pinochet de ordenar que um médico lhe desse uma injeção letal. Então em 2015, o Ministério Interior e da Segurança Pública do Chile confirmou que Neruda recebeu uma injeção e faleceu 6h30 depois. As investigações ainda não terminaram e foi gerada uma nova hipótese de que ele faleceu por uma infecção bacteriana.

Um fato importante é que, antes de adoecer, Pablo havia programado uma reunião que denunciaria Pinochet. Mas isso não aconteceu e Allende sofreu o golpe. Depois do seu funeral, sua casa foi arrombada e seu livros foram destruídos.

Um ano depois da morte de Neruda, sua mulher publicou “Confesso que Vivi” que retratou até o último dia de vida dele, inclusive seu último poema. Clique aqui para acessar uma resenha literária que conta com várias citações do livro.

 

 

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta