Publicado em Literatura Estrangeira, Sem categoria

Eu sou Malala

Eu já havia escutado falar de Malala Yousafzai e sobre o tiro que ela levou há aproximadamente dois anos atrás. Mas, ler sua autobiografia e entender os motivos deste crime é quase como levar um chacoalhão, pois há muitos problemas sociais que países como o Paquistão enfrentam.

Malala conta detalhes da criação de seus parentes e pais antes de começar a falar sobre ela e seus irmãos. Sua mãe é uma pessoa extremamente religiosa e sem estudos (ela preferiu ficar em casa desde cedo, como muitas meninas desejavam ou eram obrigadas a fazer). É fiel à família e a conselheira principal de seu marido. O pai da família sempre valorizou os estudos no Paquistão e chegou a possuir três escolas no local. Era conhecido no vale em que morava e lutou corajosamente contra as regras do Talibã. Aliás, eu nunca imaginei que o Paquistão pudesse ter paisagens maravilhosas como o Vale do Swat, onde a garota morava.

swatvalley

Graças a influência de seu pai, Malala cresceu e se apaixonou pelos livros. Era sempre a primeira ou segunda em boas notas na escolas e gostava de ler. Além disto, acreditava que um grande problema em seu país era a falta de estudos, como citou uma frase de seu pai: “Para Ziauddin, a falta de educação é a raiz de todos os problemas do Paquistão. A ignorância permite que os políticos enganem as pessoas e que maus administradores sejam reeleitos”.

A vida de Malala e dos paquistaneses mudou completamente quando os talibãs passaram a conviver com eles. Por meio da leitura é possível entender que os talibãs assimilaram a cultura do local para vagarosamente pegar a confiança de seus cidadãos e enfim colocar em prática suas regras e ensinamentos terríveis. As meninas passaram a ser proibidas de irem à escola, diversas pessoas perderam seu empregos quando as músicas, filmes e divertimentos estrangeiros foram proibidos e, nem é preciso falar das mortes e açoitamentos que eles aplicavam.

Tanto Ziauddin quanto sua filha passaram a defender o direito de todas as pessoas de estudar, independente do sexo e da idade. Por conta disto, começaram a receber ameaças de morte, os quais levou Malala a levar um tiro no ônibus escolar em 2012. Outras duas meninas foram acertadas, mas se recuperaram rapidamente. Devido as ruins condições médicas do Paquistão, Malala foi levada para a Inglaterra, lutando entre a vida e a morte. Atualmente ela e sua família moram em Birmingham, todos com saudades dos hábitos familiares paquistaneses.

yousafzai-family-ftr

 

Após um período de recuperação e fisioterapia, Malala e seus irmãos entraram em uma escola inglesa. Não há previsão de eles voltarem para sua terra natal por causa da influência talibã. No entanto, a garota não deixou de lutar pelo direito à educação e em outubro ela inaugurou uma biblioteca em sua nova cidade. Ler a autobiografia da garota foi inspirador, pois conheci melhor a cultura e rotina do Paquistão e além disso, a vontade de lutar pela educação apenas cresceu. Livro mais do que recomendado.

Autor:

Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s