Home>Biografia>Agostinho Neto – Um Revolucionário Angolano

Agostinho Neto – Um Revolucionário Angolano

Agostinho Neto é considerado um dos principais pensadores africanos que lutava contra a colonização dos países africanos.  

Nascido na aldeia do Kaxicane, localizada região do Icolo e Bengo, a aproximadamente 60 km de da capital da Angola. Filho de um pai pastor e que também era professor da Igreja Metodista e, a sua mãe, era também uma professora. Com isso, Agostinho cresceu com influências de educação dentro de sua própria casa, o que o estimulou.

Após a sua conclusão do curso liceal na cidade Luanda, ele trabalhou em serviços da saúde e logo menos se começaria a tornar-se uma figura proeminente dentro dos movimentos culturais nacionalista que, no período dos anos 40, conheceu a fase da vigorosa expansão de Angola.

Com isso, Agostinho decidiu se formar no curso de Medicina, embarcando para Portugal no ano de 194 para se matricular na Faculdade de Medicina de Coimbra, e após isso na faculdade de Lisboa.

Dois anos após a sua chegada em Portugal, foi-lhe ofertada uma bolsa para estudos pelos Metodistas dos Estados Unidos.

 

Atuação política

Agostinho começou a se envolver desde muito novo nas atividades políticas, o que ocasionou a sua prisão no ano de 1951, quando ele reunia as assinaturas para uma Conferência Mundial da Paz na cidade de Estocolmo.

Depois de sua libertação, retomou as atividades políticas e tornou-se o representante dos jovens das colónias de Portugal junto ao Movimento de Juventude Portuguesa, o MUD juvenil.

Aliás, foi em um decurso do comício dos estudantes a que presenciavam os operários e os camponeses que a PIDE acabou o prendendo em uma segunda oportunidade, já em Fevereiro de 1955, e ele só veio a ser solto somente em Junho do ano de 1957.

Por altura de sua prisão de 1955 veio ao lume o opúsculo com alguns poemas seus, que traziam denúncias as amargas realidades da vida de seu Povo angolano.

Quando foi preso, isso acabou desencadeando uma série de manifestações em uma grande proporção. Realizaram-se reuniões; escreveram-se algumas cartas e enviaram-se também petições assinadas pelos intelectuais franceses do primeiro plano, como o Jean-Paul Sart, o André Mauriac, o Aragon e o Simone de Beauvoir, pelo poeta cubano Nicolás Gullén e também pelo pintor comunista do México Diogo Rivera. Inclusive, no ano de 1957, Agostinho Neto, foi nomeado como o Prisioneiro Político do Ano através Amnistia Internacional.

 

Após as suas prisões

No ano de 1958, o Agostinho Neto terminou a licenciatura no curso de Medicina e, se casou com a Maria Eugénia, e foi no mesmo dia que ele terminou o curso.

Ainda nesse ano, ele foi um dos que fundaram o clandestino Movimento de origem Anticolonial, o MAC, que tinha como objetivo reunir os patriotas oriundos de diversas colónias de Portugal.

No dia 30 de dezembro de 1959, Agostinho retornou ao sua nação, com sua mulher, Maria Eugénia, e o seu filho pequeno, e começou a atuar na área da medicina entre seus compatriotas. No dia 8 de junho de 1960, o diretor da PIDE foi pessoalmente prender o Médico em seu Consultório na cidade Luanda, capital angolana.

Uma manifestação de viés pacífico foi realizada em uma aldeia aonde Neto nasceu em protestos contra o fato dele ser preso e foi repreendida por tiros da polícia. Foram 30 mortos e 200 feridos que ocorreu nesse dia, que passou a ser chamado como Massacre de Icolo e Bengo.

Receando todas as consequências que ocasionariam de sua presença na Angola, mesmo estando preso, todos os colonialistas decidiram transferir Agostinho Neto para uma prisão em Lisboa e, posteriormente o enviaram para o Cabo Verde, para Santo Antão e, depois para Santiago, onde seguiu a exercer sua medicina sob uma constante vigilância dos colonizadores. Foi durante esse período que ele foi eleito o Presidente Honorário da MPLA.

Fotografia

Por revelar a certos amigos em Santiago (Cabo Verde) a fotografia, onde um certo grupo de militares de Portugal sorriam para uma câmara, segurando o deles uma estaca em que foi espetada uma cabeça de cidadão angolano e inserta nos mais diversos jornais, Agostinho foi novamente preso em cidade da Praia no dia 17 de Outubro de 1961 e foi depois transferido para outra prisão localizada em Lisboa.

Sob uma forte pressão, de origem interna e também externa, os soldados fascistas se viram obrigados a soltar Neto no ano de 1962, fixando-lhe em uma residência em Lisboa. Porém, pouco tempo após da saída dessa prisão, Agostinho Neto, no mês de julho de 1962, saiu de maneira clandestina da Europa com sua mulher e seus filhos menores, chegando na Léopoldville (Kinshasa), onde a MPLA tinha naquele tempo a sua sede exterior.

 

Últimos anos

No mês de dezembro desse mesmo ano, ele foi eleito o presidente oficial do MPLA em uma Conferência Nacional desse Movimento.

No ano de 1970 foi-lhe concedido um Prémio Lótus, graças a Conferência de Escritores Afro-Asiáticos com seu título “Revolução dos Cravos” em Portugal e a derrocada daquele regime fascista do Salazar, prosseguido pelo Marcelo Caetano, em 25 de abril de 1974.

Agostinho Neto retorna para Luanda em 4 de fevereiro do ano de 1975, sendo o alvo das mais grandiosas manifestações populares de que se tem memória na Angola. Ele foi um dos líderes e principais nomes da independência da Angola, e por isso foi tão ovacionado.

Ele faleceu em um hospital na Rússia em setembro de 1979, de complicações ocorridas por uma operação de cancro no fígado, pouco antes dos seus 57 anos.

Agostinho Neto que em África da expressão portuguesa é comparável ao Léopold Senghor na África da expressão francesa. Foi o esclarecido homem da cultura para que as manifestações culturais tinham de ser. Uma expressão viva de aspirações do povo oprimido, armas para uma denúncia das situações injustas, o instrumento para uma reconstrução de nova vida.

 

Colaborador Beco das Palavras
Os textos publicados aqui são produzidos pelo colaborador que assina cada artigo, sob supervisão e revisão de Luciana Assunção.

Deixe uma resposta