Publicado em Clássico do Mês, Clássicos da Literatura, Literatura, Literatura Brasileira

Triste Fim De Policarpo Quaresma

85023_ggO romance “Triste Fim De Policarpo Quaresma” ( Editora Penguin & Companhia das Letras) do escritor Lima Barreto foi inicialmente publicado na seção de folhetins do “Jornal do Commercio” entre Agosto e Outubro de 1911.Somente quatro anos depois foi publicado em livro, se tornando posteriormente um clássico da literatura brasileira. Com humor, ironia e fazendo uso de uma crítica inteligente e lúcida sobre os costumes políticos, sociais e culturais do país, o texto e o estilo do autor cativam e demonstram o talento deste escritor brilhante que enriquece o rol de grandes escritores que nosso país já teve.

A história de Lima Barreto tem como protagonista o major Policarpo Quaresma, um subsecretário do Arsenal de Guerra que vivia uma vida simples e metódica na companhia da irmã Adelaide já que não havia constituído família, vivendo apenas para seu trabalho e para seus estudos sobre o Brasil. Após tantos anos dedicando sua vida ao estudo e ao amor pela pátria ele havia se tornado um grande entusiasta, defensor ferrenho e incentivador do costumes genuinamente brasileiros. Homem de hábitos simples e sem ambições sociais  tinha a consideração da vizinhança e a simpatia de alguns, apesar de parecer um tanto excêntrico ao olhos deles. Mas sua vida pacata e respeitada muda quando ele resolve sugerir através de um requerimento encaminhado ao Congresso Nacional que “o tupi-guarani fosse adotado como língua oficial e nacional do povo brasileiro”. O requerimento de Quaresma foi motivo de chacota e incompreensão por parte sociedade carioca. Por semanas ele foi ridicularizado e hostilizado até mesmo pela Imprensa o que o levou e ter uma crise nervosa e a ser internado no hospício.

Esse havia de ser o primeiro golpe contra o idealismo e o patriotismo ingênuo de Quaresma. Apesar desse primeiro fracasso, ele tenta implantar suas ideias e provar a superioridade e a fertilidade do país através da agricultura ao vender sua casa na cidade e ir morar num sítio no interior. Porém nessa empreitada agrícola ele também fracassa devido às dificuldades naturais, aos problemas de infraestrutura e aos entraves da política local.Nesse momento ocorre a Revolta da Armada e Quaresma prontamente volta à cidade e se junta aos partidários de Floriano Peixoto.Enxergando na política e na figura de Floriano a possibilidade de contribuir com a nação, ele entrega ao Presidente suas propostas por escrito, propostas que são recebidas com desinteresse pelo mesmo. O descaso do presidente, as atrocidades e as incoerências da guerra são fatais para natureza pacífica e para os ideais nacionalistas, moralmente puros e elevados de Quaresma. Após criticar o tratamento e as execuções dos prisioneiros que saíram perdedores da revolta, ele é tido e tratado como traidor sendo então destinado ao seu triste fim..

Com o desenrolar das aventuras e das desventuras do Major Policarpo Quaresma,  Lima Barreto disseca e critica de forma perspicaz vários temas de cunho social, cultural e político característicos do país. O papel da mulher na sociedade cuja única aspiração deveria ser o casamento é exemplificado e criticado através principalmente dos personagens de Ismênia e de Olga. Em relação às estruturas sociais e culturais da nação, ele tece uma aguçada crítica e faz uma acertada descrição das elites brasileiras e suas idiossincrasias. Seus personagens representados por militares, doutores, entre outros, só fazem ostentar e almejar patentes, diplomas e cargos imerecidos e adquiridos através da troca de favores, de adulações e favorecimentos políticos. Movidos unicamente por ambições pessoais, é por esse tipo de gente e é através desse tipo de oportunismo cultural que as camadas sociais brasileiras são formadas ao longo dos tempos.

Em meio a essa gama de personagens interesseiros e alheios ao ideal de construção de uma pátria próspera culturalmente, socialmente e politicamente, a figura doce e visionária de Quaresma contrasta e é empurrada cada vez mais no isolamento social.A despeito de suas nobres intenções, o erro fatal de Policarpo era que a ideia que ele tinha do Brasil vinha dos livros e não da realidade. E seu amor por essa pátria idealizada ofuscava, pelo menos inicialmente, os seus defeitos aos olhos dele. Mas a cada desilusão que tinha ao compartilhar seus ideais nacionalistas com a sociedade o verdadeiro Brasil ia surgindo para ele, assim como vai surgindo para o leitor, acabando com qualquer esperança ingênua de mudança.

Os temas abordados e as críticas feitas por Lima Barreto nessa  obra ainda são atuais e pertinentes para caracterizar e analisar a nossa sociedade o que mostra que em muitos aspectos poucas coisas mudaram em nosso país desde sua época. Por sua importância e relevância histórica e social o livro merece seu lugar entre os clássicos de nossa literatura. Seja ao confirmar ou desmistificar nossas ideias sobre o Brasil, ler esse livro é uma grandiosa aula para compreendermos o país em que vivemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s