Home>Biografia>A Trajetória de Anais Nim

A Trajetória de Anais Nim

Anais Nin, nascida em Neuilly no dia 21 de fevereiro de 1903, foi uma autora francesa muito renomada em seu tempo. Ela tem inúmeras contribuições como autora e até hoje é lembrada como referência. Confira um pouco mais sobre sua trajetória. 

Biografia

Ela é filha do compositor Joaquinin, um cubano de ascendência catalã que cresceu na Espanha, enquanto Rosa Courmer Vigarode é de ascendência cubana, francesa e dinamarquesa. Sua mãe, filha de um diplomata, casou-se contra a vontade da família.

 O pai de Anaïs logo se tornou um conhecido concertista e pianista. Quando criança, Anaïs viveu em diferentes países europeus acompanhando os shows de seu pai. Art Cream frequentava sua casa e seus dias eram cheios de fantasias: drama, dança, música, poesia, leitura, até que seus pais se divorciaram.

 Quando Anaïs tinha 11 anos, seu pai (depois de vários relacionamentos) deixou a família para morar com uma mulher mais jovem e mais rica. 

A mãe decidiu então morar nos Estados Unidos, com o objetivo de dar aos filhos uma educação mais “de verdade”, livre da “fantasia de crescer”, e embarcou em uma viagem com Anaïs e seus dois irmãos mais novos para serem transportado para os Estados Unidos, continuando um mês.

 Foi durante esta viagem que Anaïs iniciou o seu famoso diário, que escreveria até à sua morte, aos 73 anos. Tudo começou com uma carta ao pai na qual ela descrevia tudo ao seu redor para atraí-lo de volta.

 Mas sua mãe alegou que a carta seria perdida e decidiu não enviá-la. Anaïs continua a escrever, agora para si mesma, como um diário, num santuário num país estrangeiro. Ele durará seis décadas e consistirá em mais de 35.000 páginas.

 Aos 16 anos, ela abandonou a escola e tornou-se autodidata. Aos 18, tornou-se modelo de artista. Em 1923, ela se casou com Hugh Guiler, um alto funcionário do banco da cidade, e eles se mudaram para Louveciennes, um subúrbio de Paris.

 Lá, ela mergulhou em algo que nunca deixou, suas leituras. Sua vida não mudou significativamente até que, aos 29 anos, ele escreveu um livro baseado no mundo literário de D. H. Lawrence (o autor foi mais tarde amaldiçoado por falar sobre os instintos e emoções das mulheres).

 Hugh, seu marido, queria fazê-la feliz e colocá-la na literatura, apresentando-a ao autor Henry Miller. Desde então, a vida de Anais deu uma guinada: ela se apaixonou por Henry por causa de seus instintos, alegria de viver, foco no mundo, e com Joan (esposa de Henry), ela a admira para descobrir Own. sua força feminina.

 Ao entrar no mundo artístico, intelectual e boémio daquela época, associa-se a várias figuras da sua época, ora como amiga, ora como apoiante (vários artistas anteriores ao seu sucesso) e outras como amante.

 Explore o mundo da psicanálise com René Allendy (fundador da Sociedade Psicanalítica Parisiense), depois mergulhe nele com Otto Rank, um dos principais expoentes da psicanálise na época.

 De paciente, ela se tornará pesquisadora de ambos, se envolverá em ambos, cada um em seu tempo, com Otto, além da paixão que descobriu uma profunda afinidade pela mente. 

Ele a ajudará a enfrentar um dos maiores traumas/desafios de sua vida, seu relacionamento com o pai. No início, ele serviria como assistente de Otto e, mais tarde, cuidaria de seus próprios pacientes.

Com a Segunda Guerra Mundial, ela se mudou para os Estados Unidos, e só em 1966 ela publicou com sucesso um de seus diários pela primeira vez (com várias deleções e deleções de nomes de algumas pessoas – como o do marido) de) .

 Parece que a jornada solitária encontrou um eco. À medida que o movimento feminista crescia (embora discordasse de vários pontos-chave), Anaïs foi convidada a falar para as mulheres do movimento, escrever em revistas importantes, falar em universidades, centros psicanalíticos, dar entrevistas e gravar um programa com sua história.

Ela é conhecida por publicar diários pessoais, que começou quando ela tinha onze anos e continuou por sessenta anos. Ela era amante de Henry Miller e só foi autorizada a publicar um diário sujo após a morte de seu marido Hugh Giller. Essa tarefa foi deixada para seu segundo marido, Rupert Pohl, 16 anos mais novo que ela.

 Seu diário é hoje considerado um dos mais importantes documentos literários, psicanalíticos e antropológicos do século XX. Mostra intimamente a maturidade emocional de uma mulher ocidental que lutou por sua libertação em Paris e Nova York, entre e durante a Grande Guerra.

 Seus romances e narrativas são eróticos e fortemente influenciados por James Joyce e pela psicanálise. Entre suas obras, destaca-se “Delta de Vênus” (1977), traduzido para todas as línguas ocidentais e bem recebido pela crítica nos Estados Unidos e na Europa.

 O filme “Henry and June” (1990), dirigido por Philip Kaufman, conta a história do período em que Anna Isin, interpretada pela atriz portuguesa Maria de Medeiros, conheceu Henry Miller.

 

Obras

  • 1932: D.H. Lawrence : une étude non professionnelle
  • 1936: La Maison de l’inceste
  • 1939: Un hiver d’artifice
  • 1944: La Cloche de verre
  • 1959: Les Cités intérieures, volume que reúne os cinco romances publicados anteriormente :
  • 1964: Collages
  • 1968: Le Roman de l’avenir
  • 1977: Vénus érotica
  • 1979: Les Petits Oiseaux
  • 1966-1981: Journal (7 volumes)
  • 1978-1982: Journal d’enfance (4 volumes)
  • 1986: Henry et June (Cahiers secrets)
  • 2003: Journal de l’amour, diário inédito e sem expurgos dos anos 1932-1939, volume reunindo :
  • 2010: Journaux de jeunesse (1914 – 1931), reedição que agrupa em um único volume todos os escritos desse período

 

 

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta