Home>Cultura>Artes>Projeto homenageia Maria Firmina dos Reis

Projeto homenageia Maria Firmina dos Reis

Projeto homenageia primeira romancista negra brasileira com show e série de atividades gratuitas

 

Reunindo show e série de atividades gratuitas, o projeto 200 Anos De Maria Firmina Dos Reis resgata a obra e homenageia Maria Firmina dos Reis (1822-1917), considerada a primeira romancista negra brasileira. A iniciativa é da Romã Atômica junto com integrantes do Drama Seis e conta com live musical da cantora, violonista e compositora paraibana Socorro Lira no dia 14 de maio, às 20 horas, pelo Youtube da Romã Atômica. A musicista lançou em 2019 o disco Cantos à Beira- mar com músicas compostas a partir da poesia de Maria Firmina dos Reis.

A ação ainda traz palestras (16 a 20/05) e grupo de estudos (23, 25, 27 e 30/05). As palestras serão abertas e gratuitas, com transmissão ao vivo via Youtube, e as inscrições podem ser feitas pelo site da Romã Atômica. Os encontros serão gravados e disponibilizados no canal da Romã Atômica e no formato de podcast.

Cada palestra trará aspectos específicos da vida e da obra de Maria Firmina dos Reis, dentro da pesquisa acadêmica de cada convidado(a). Entre os pesquisadores(as) convidados(as) estão Agenor Gomes, Luciana Diogo, Rafael Balseiro Zin, Régia Agostinho e Roberta Flores Pedroso.

 

Grupo de Estudos

Já o Grupo de Estudos será realizado via plataforma online e terá como foco discutir questões específicas de obras literárias da autora como Úrsula (romance de 1859), Gupeva (romance de 1861), A Escrava (conto de 1887) e Cantos à beira-mar (poesias de 1871). Para esta etapa, a Romã contará com a participação de dois integrantes do Núcleo de Pesquisa Drama Seis, Breno Rosa-Gomes e Elenice Zerneri. O grupo terá como método a análise criteriosa de cada obra, contextualização no gênero literário, leitura de trechos comentados, debates sobre temas específicos suscitados pela leitura e, principalmente, troca de experiências e conhecimentos. As inscrições podem ser feitas pelo site da Romã Atômica.

“Pretendemos inserir no debate questões importantes em relação ao contexto histórico-social em que a autora viveu e produziu — mulher, precursora da literatura abolicionista e fundadora da literatura afro-brasileira —, mas também em relação à qualidade literária de sua obra. Maria Firmina dos Reis apresenta pela primeira vez e em primeira pessoa, relatos de personagens negros escravizados, que refletem sobre si mesmos e elaboram uma narrativa a partir de suas vidas oprimidas. Embora o enredo principal de Úrsula, seu romance mais conhecido, gire em torno do amor romântico entre dois jovens brancos e nobres, há pesquisadores que interpretam o fato como estratégia para publicação”, conta Breno Rosa-Gomes.

 

Literatura de Maria Firmina dos Reis

O primeiro romance da escritora, Úrsula (1859), trabalha com temática abolicionista e com o pseudônimo Uma Maranhense. Foi encontrado somente na década de 1960, pelo bibliógrafo e colecionador Horácio de Almeida. Nos últimos anos, o livro ganhou novas edições e a escritora tem sido citada em teses e dissertações das áreas de literatura, história e sociologia.

A continuação do processo de redescoberta da autora, que se inicia nas décadas de 1960 e 1970, é de suma importância para que se mantenha vivo para as novas gerações de leitores. A literatura de Maria Firmina traz toques de realismo com críticas sociais relacionadas à escravidão. Ela foi filha de escrava alforriada, depois conseguiu ser admitida no círculo de letrados locais, fundou a primeira escola mista e pública do Maranhão e foi aprovada em um concurso público para o cargo de professora das primeiras letras. Também foi musicista e compositora (autora do Hino da Abolição dos Escravos e outras composições) e colaborou com vários jornais literários de sua época.

“O resgate de narrativas que contenham o ponto de vista de uma das primeiras autoras da época (mulher, negra, maranhense), é também um resgate histórico. Além de documentar aspectos da sociedade brasileira do século XIX, patriarcal e escravista, pela via da ficção, abre um caminho de possibilidades para que ouçamos, hoje, as vozes mudas do nosso tempo”, ressalta Amara Hartmann.

 

200 ANOS DE MARIA FIRMINA DOS REIS

Live musical com Socorro Lira: 14 de maio, às 20 horas, pelo Youtube (https://bit.ly/3j5oNBM)

 

Palestras: 16, 17, 18, 19, 20 de maio

Grupo De Estudos: 23, 25, 27 e 30 de maio

Para se inscrever para palestra ou o  grupo de estudos, clique aqui.

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta