Home>Política e Sociedade>Livro expõe risco de insegurança jurídica trazida por decisão do Supremo

Livro expõe risco de insegurança jurídica trazida por decisão do Supremo

Capítulo dos especialistas em Direito Tributário Paulo Vieira da Rocha* e Murilo Jakuk**, do VRMA Advogados***, publicado no recém-lançado livro “Contribuições: evolução jurisprudencial no CARF, STJ e STF”, expõe como um voto do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, além de afrontar o princípio da legalidade, traz o risco à segurança jurídica

 

No texto “Além da legalidade: apontamentos sobre o julgamento extra petita e o esvaziamento da não-cumulatividade do PIS e COFINS no julgamento do RE nº 1.043.313”, a dupla de advogados analisa, de forma profunda e detalhada, as repercussões do acórdão que fere a prerrogativa do Congresso de decidir sobre os aumentos de impostos e que ao mesmo tempo atinge também os bolsos de milhões de empresários brasileiros.

Toffoli entendeu que o poder executivo possui competência para aumentar as alíquotas de PIS e COFINS que incidem sobre receitas financeiras obtidas por empresas beneficiadas pela não cumulatividade, decisão que vai à contramão do que dita a Constituição Federal. Ela veta que o Governo Federal, no caso, realize qualquer alteração tributária sem que ela esteja prevista em lei, ou seja, passe primeiro pelo Congresso.

 

PIS e COFINS

O regime de apuração não cumulativo de PIS e COFINS referem-se a créditos descontados do valor pago ao Governo. A título de exemplo, o valor do imposto sobre a matéria-prima necessária para fabricar um produto pode ser descontado do imposto pago na comercialização do produto finalizado, afastando a hipótese de tributação em cascata, fenômeno econômico-tributário que descreve o fato de um mesmo bem ou serviço ser tributado repetidas vezes, nos diferentes estágios da cadeia de produção e distribuição, até chegar ao consumidor final.

“O voto de Toffoli dá margens a possivelmente extinguir, ainda que indiretamente, o regime de apuração não cumulativo das contribuições de PIS e COFINS. Importante frisar que não se fala diretamente de extinção de regime tributário, porém se utilizadas às mesmas premissas que as por ele tomadas, podem-se concluir um raciocínio de que poderia o legislador infraconstitucional esvaziar tanto a não cumulatividade que ela mesmo poderia chegar ao patamar de zero e, portanto, passar a ser na prática um regime cumulativo”, explica Paulo Vieira da Rocha, professor-colaborador na Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo).

O episódio transcende a mera discussão acadêmica, com repercussões no dia a dia de milhares de empresários brasileiros, que passaram a ser onerados pelo pagamento de tributação de 4,65% sobre suas receitas financeiras. Para se ter uma ideia de seu efeito, a partir de agosto de 2015, o novo montante estimado de arrecadação, apenas naquele ano, chegou a cerca de R$ 2,7 bilhões, atingindo cerca de 80 mil empresas.

 

alocação de recursos menos vantajosa

Além disso, a imediaticidade da decisão também pegou a todos de surpresa, especialmente os empresários, já que as leis de teor financeiro tendem a ter efeito apenas no ano seguinte de sua promulgação. “Se antes da decisão do ministro Dias Toffoli o investimento no mercado de capitais era um atrativo para os empresários organizarem suas estratégias de fluxo de caixa e resultados contábeis, após o julgamento, essa opção de alocação de recursos passou a ficar menos vantajosa”, argumenta Paulo Vieira da Rocha, que é também professor do Programa de Mestrado em Direito Tributário (Internacional e Comparado) do Instituto Brasileiro Direito Tributário, e sócio do VRMA Advogados. “Realizar operações financeiras é prática comum de quase todos os segmentos empresariais, seja na figura do hedge, o instrumento de proteção financeira, especialmente por conta da variação do dólar, de especulação ou obtenção de renda complementar; dessa maneira, as contribuições de PIS e COFINS sobre receitas financeiras são amplamente recorrentes para uma vasta gama de contribuintes.”

Apesar de se referir a um recurso oriundo nos tribunais do Rio Grande do Sul, a decisão do STF será reconhecida por todos os órgãos do Poder Judiciário, ou seja, nenhum juiz no país poderá decidir contrariamente a ela em processos de teor semelhante, trazendo insegurança jurídica, que faz o empreendedor pensar duas vezes antes de abrir ou ampliar um negócio e que, dentro do pacote risco-país, é um fator no qual o investidor estrangeiro sempre está de olho, segundo analistas financeiros.

“O voto do ministro Dias Toffoli traz um risco à segurança jurídica na medida em que ele dificulta a previsibilidade, da parte dos contribuintes, sobre a interpretação que se dará ao conceito constitucional da não-cumulatividade”, explica Vieira da Rocha. “Para que se tenha, ainda que um mínimo, de segurança jurídica, os tribunais devem interpretar normas genéricas e aplicá-las através de interpretações que sejam coerentes, sigam a mesma lógica, para que quando outro contribuinte ler a mesma norma possa chegar à mesma conclusão; quando um ministro profere um voto excessivamente vago, que não delimita a extensão do que pode ser considerado um determinado conceito, todos os contribuintes, ou mesmo investidores em potencial, ficam em uma sensação de instabilidade em relação sobre qual será a interpretação correta da legislação.”

Luciana
Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

Deixe uma resposta