Publicado em Clássicos da Literatura, Literatura, Literatura Estrangeira

Os Irmãos Karamázov

Essa resenha era para ter saído no dia 31 de março, mas por diversos motivos acabei não conseguindo. Alguns deles estão a correria do trabalho (onde acabei mudando de andar não gerando tempo nem no almoço para fazer isso, as aulas na auto-escola e, o principal, o livro ter quase 1000 páginas).

Quando escolhi os Irmãos Karamázov para ler no Desafio Literário, sabia que seria um desafio mesmo. Afinal, um livro com 999 páginas (para ser bem exata) não seria fácil ler em trinta dias quando se estuda, trabalha, tem outras responsabilidades e pegar um ônibus lotado onde se fica em pé no escuro, tirando toda a possibilidade de aproveitar o trajeto para ler. Mas me considero uma vencedora por ter atrasado somente dois dias (isso não negarei jamais).

Comprei o livro no final de 2008. Já havia ganho uma edição compacta dele que cheguei a iniciar mas não alcancei a metade devido a problemas com edição e por ser pocket (extremamente chato virar a página a cada dois minutos). Com o desafio, peguei minha nova edição e fui a leitura que já havia iniciado anos antes e havia adorado.

Os irmãos

A história escrita pelo russo Fiódor Dostoievski no século XIX se tornou um clássico por ter uma leitura magnífica e bem estruturada. É relatada a historia de três irmãos: Dimitri, Ivan e Alieksiei Karamazov, filhos de um homem rico porém ser pudores que passa a vida gastando seu dinheiro com prostitutas. Seu nome é Fiódor Pavlovich Karamazóv.

Fiódor não deseja dividir seu dinheiro com ninguém, e deseja o só para si e afirma que precisa do mesmo para pagar as mulheres pois já está velho e somente com dinheiro conseguirá dormir com elas. Seu filho mais velho, Dimitri (que nasceu do seu primeiro casamento), foi criado por um parente da mãe e exige sua herança alegando que se não fosse o casamento feito com ela o pai jamais ficaria rico. Após Dimitri ter se mudado para casa de parentes aos três anos, já órfão, o pai se casou novamente e teve mais dois filhos. Novamente perdeu a esposa e largou os filhos a esmos, sendo socorridos pela família da mulher que criara a mãe dos meninos.

Após todos os três irmãos crescerem e estudarem, decidiram quase que ao mesmo tempo voltarem para a pequena cidade que o pai residia e viver com ele. Ali começa uma reviravolta na vida de todos. Dimitri, noivo da bela Cátia, se apaixona por uma jovem do vilarejo e começa mais uma briga com o pai, que também está interessado nela. Gruchencka, a se torna pivô de uma situação onde pai e filho lutam pelo amor da jovem que só quer brincar com ambos, não se interessando pelos sentimentos de ninguém, principalmente de Cátia, que sofre em ver o noivo a traindo.

Já Ivan sofre por amar a noiva do irmão, Cátia, e não sabe como fazer para ganhar o coração da jovem que mesmo sofrendo pelas traições de Dimitri não termina o noivado.

O terceiro filho, Aliócha (como é chamado sempre), decidi se tornar monge e tenta de todas as maneiras ajudarem os irmãos e os amigos mais próximos. Mas a vida dos três é mudada quando o pai é assassinado e um deles é acusado de parricídio.

O que faz dessa obra magnífica é o modo como Dostoiévski criou a trama. Uniu por diversas vezes a fé na igreja (há dezenas de referências bíblicas e comentários à religião), e até referencias ao governo e fatos verídicos ocorridos na Rússia (como roubos, assassinatos etc). Deparamos-nos com uma época onde havia diferenças, mas já existia maus-tratos a crianças (é citado o caso real de uma criança que apanhou diversas vezes e foi obrigada a comer suas próprias fezes) e assassinatos bárbaros. Tudo isso para mostrar como era a Rússia naquela época.

Na Rússia a literatura tinha o poder ser o caminho para trazer à população o retrato de uma época, para se falar de política e dos problemas sociais. Colocar fatos que realmente aconteceram era um modo que o autor tinha para trazer argumentos sobre estas questões aos leitores, os fazia pensar na sociedade e para onde estavam seguiam. Eram nos livros que se criticava os acontecimentos e clamavam por mudanças.

A pobreza aqui é contada de forma dolorosa. Envolta destes três irmãos que possuem bem, existem personagens que vivem na miséria e seu sofrimento, raiva e angustias são relatadas aqui de forma comovente. Se vê o real estado da Rússia naquela época, de quantas pessoas viviam na pobreza e necessitavam de ajuda constante. A ganância dos comerciantes também e denunciada. Mostrando como a sociedade trabalha: os pobres se tornando mais pobres, os burgueses buscando sempre roubar mais dos ricos e os ricos em sua zona de conforto. Apesar de seus personagens também mostrarem pessoas cheias de compaixão, vê-se que não é suficiente para tanta fome.

Unindo a realidade com a ficção, criando personagens envolventes e apaixonantes como estes três irmãos, não tem como não se apaixonar por este livro. Apesar de longo, não se consegue parar de lê-lo. Se quer saber o que acontecerá em seguida, como se dará o desfecho de tal ato ou entender melhor determinado personagem. Enfim, uma leitura que contagia do inicio ao fim.

Dica: A versão produzida pela Editora 34 é perfeita. Traduzida direta da lingua russa (a maioria das versões é feita pelo francês ou inglês) nos traz uma tradução mais próxima do original. Os comentários do tradutor sobre algumas partes da tradução, onde houve dificuldade no trabalho, nos esclarece ainda mais.

A editora 34 já é famosa por sua qualidade na tradução e editoração, procurando ser o mais fiel possível do texto original, esclarecendo os pontos que podem haver conflitos e uma correção de digitação chegando ao nível da perfeição. Em 999 páginas encontrei somente dois erros de português ocorridos dirante a digitação. Só perde até o momento, para Anna Karienina da Cosac Naif, com 801 pág e um único erro de digitação no livro.

Um fato interessante é que a editora ganhou o terceiro lugar do prêmio Jabuti de 2010 na categoria Tradução por esta obra. Mostra o cuidado que a editora teve com sua produção.

Autor:

Uma jovem que estuda, trabalha e respira literatura. E sempre que possível está aqui para dar dicas de livros via internet.

21 comentários em “Os Irmãos Karamázov

  1. Olá,
    Gostei de seu blog e da resenha feita em seu post, nunca li nenhum livro de Dostoiévski, mas como adoro literatura irei procurar ler. E realmente, os maiores livros são geralmente os mais interessante, o que mais nos deixam curiosos para ver o desfecho de cada ato.

    Já tenho uma dica do que ler quando acabar de ler meus livros atuais. =)

  2. Dele eu li:
    Crime e Castigo,
    O Idiota
    Os Irmãos Karamazov
    Noites Brancas
    O Jogador

    Adoro os autores russos! Não sabia desta história de desafio… Interessante!

  3. meu, eu já li os livros desse cara

    são ótimos, já li esse que vc falou e o jogador

    são todos interessantes, sem duvidas é um dos melhores escritores que já tivemos.

  4. Legal.Texto longo longo mas lí tudinho…
    A história parece ser instigante.Mas desenvolvi uma simpatia pelo Aliócha. E lhe juro,cheguei a imaginar o rosto de Cátia…
    Obs. Justamente no momento em que você fala de erro ortográfico,você comente um, no segundo parágrafo.Mas não leve a mal, só achei engraçado a coincidência (nem sei se é assim que se escreve, rsrs).
    Adorei o blog.
    Abração

  5. Dostoiévski é um dos meus prediletos.
    Tenho no conto “O sonho de um homem ridículo” um dos cinco contos tops da minha “cabeceira”.
    Este não li ainda, lerei; estou lendo Noites Brancas.

    abç
    Pobre Esponja

  6. Li o livro aos onze anos, Luciana. E a resenha me fez viajar porque essa foi uma das leituras mais inesquecíveis da minha vida. Adorei sua escolha, sua resenha. Parabéns por ter cumprido o desafio.

    Beijocas

  7. Olá, acabei de comprar o livro pela internet, e estou muito anciosa para ler, mas tb um pouco receosa, pois vi em alguns sites, resenhas q dizem q a leitura é um pouco complicada, difícil de entender e as vezes tediosa, é verdade? Mas depois q li sua resenha fiquei mas aliviada e mais anciosa para ler.

  8. Tásis, não achei a leitura tediosa. Talvez nas primeiras páginas, quando se fala do pai, pode ser um pouco lenta. mas a medida que vamos conhecendo os irmãos, ficamos encantados.

    Vide os comentários, muitos leram e amaram o livro. Você vai gostar, tenho certeza =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s